Capiberibe: “Impeachment aumentará intolerância e divisão do país”

Senador João Capiberibe (PSB-AP) fez duras críticas ao impeachment da presidente Dilma Rousseff e adiantou que votará contra a admissibilidade do processo; "Se há crime de responsabilidade para a presidente também há para o vice. O que demonstra um desequilíbrio de igualdade nesses processo", ressalta; segundo ele, "o impeachment é a marcha da insensatez", pois leva o país a um confronto que "aumenta as divisões na sociedade, aprofunda o sectarismo político e promove a intolerância entre as pessoas"

Plenário do Senado durante sessão deliberativa ordinária. Em discurso, senador João Capiberibe (PSB-AP). Foto: Ana Volpe/Agência Senado
Plenário do Senado durante sessão deliberativa ordinária. Em discurso, senador João Capiberibe (PSB-AP). Foto: Ana Volpe/Agência Senado (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Do Portal Vermelho - Diante do debate sobre o afastamento da presidenta Dilma Rousseff que tramita no Senado, o Portal Vermelho tenta ouvir os senadores para saber o seu posicionamento. Em entrevista, o senador João Capiberibe (PSB-AP) disse que é contra a admissibilidade do processo e votará contra o afastamento de Dilma.

"Eu voto contra a admissibilidade do processo de impeachment. Não vou colocar a minha assinatura nem queimar a minha biografia com impeachment, que não me parece o mais correto para a sociedade brasileira", enfatizou o senador, que tem defendido a realização de novas eleições.

Ele pontua que não há crime de responsabilidade. "Se há crime de responsabilidade para a presidente também há para o vice. O que demonstra um desequilíbrio de igualdade nesses processo", ressalta.

Não há crime

O senador salientou que os decretos de créditos "não caracterizam crime de responsabilidade". Lembrou que se tal justificativa levar o afastamento de Dilma, o mesmo acontecerá com todos os governadores e prefeitos do país que fizeram o mesmo procedimento.

Segundo ele, "o impeachment é a marcha da insensatez", pois leva o país a um confronto que "aumenta as divisões na sociedade, aprofunda o sectarismo político e promove a intolerância entre as pessoas".

Capiberibe disse também que os defensores do impeachment são vendedores de ilusões. "Está se vendendo a ilusão que na hora que acabar o impeachment nós vamos ver o país em HD, mais colorido, com as suas diferenças resolvidas. Mas pelo contrário, as diferenças vão se aprofundar e ampliar os ânimos e o ressentimento. E não é isso saída para a crise. O confronto nunca será saída para uma crise, além de atingir duramente a democracia", destacou.

Temer: Tudo para os bancos

Sobre um eventual governo Temer, o senador enfatiza que esse é o pior cenário, principalmente para os trabalhadores.

"Teremos um acirramento enorme, que vai aprofundar a crise econômica e também provocar uma crise social com perda de direitos dos trabalhadores, com retração drástica de conquistas garantidas pela Constituição de 1988", disse.

O senador lembrou que o país um desequilíbrio fiscal de R$ 120 bilhões que precisam ser equacionados ainda este ano. "Ou se tira do dinheiro da educação e da saúde ou se tira dos bancos. Esse grupo que quer assumir o governo eu tenho certeza que dos bancos não tiram um centavo", finalizou.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email