Cardozo: governo quer respeito à lei no julgamento do impeachment

"O governo tem todo o interesse em que esse processo seja rapidamente julgado, mas também tem todo interesse que a lei e a Constituição sejam respeitadas", disse o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo nesta quarta-feira, 9, sobre a decisão do STF que suspendeu o andamento do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff; de acordo com o ministro, o julgamento célere do processo seria bom para o país, mas um julgamento dentro da lei é de "indispensável relevância"

"O governo tem todo o interesse em que esse processo seja rapidamente julgado, mas também tem todo interesse que a lei e a Constituição sejam respeitadas", disse o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo nesta quarta-feira, 9, sobre a decisão do STF que suspendeu o andamento do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff; de acordo com o ministro, o julgamento célere do processo seria bom para o país, mas um julgamento dentro da lei é de "indispensável relevância"
"O governo tem todo o interesse em que esse processo seja rapidamente julgado, mas também tem todo interesse que a lei e a Constituição sejam respeitadas", disse o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo nesta quarta-feira, 9, sobre a decisão do STF que suspendeu o andamento do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff; de acordo com o ministro, o julgamento célere do processo seria bom para o país, mas um julgamento dentro da lei é de "indispensável relevância" (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Yara Aquino, da Agência Brasil - O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, comentou hoje (9) a decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), de suspender a tramitação do pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff até a próxima quarta-feira (16), Segundo Cardozo, a atuação do Judiciário é autônoma e respeitadora da Constituição e da lei. De acordo com o ministro, o julgamento célere do processo seria bom para o país, mas um julgamento dentro da lei é de "indispensável relevância".

"O governo tem todo o interesse em que esse processo seja rapidamente julgado, mas também tem todo interesse que a lei e a Constituição sejam respeitadas. Jamais se pode abrir mão de princípios constitucionais e de regras legais de um Estado de Direito. Portanto, acredito que um julgamento célere é bom para todos e é bom para o país, mas o julgamento dentro da lei é de indispensável relevância", disse Cardozo, após participar de cerimônia no Ministério Público Federal.

O ministro Luiz Edson Fachin, do STF, decidiu omtem (8) à noite suspender a tramitação do pedido de impeachment da presidenta Dilma Rousseff até a próxima quarta-feira (16), quando o plenário da Corte deverá julgar pedido liminar do PCdoB sobre a constitucionalidade da Lei 1.079/50, que regulamentou as normas de processo e julgamento do impeachment.

A decisão impede a Câmara dos Deputados de instalar a comissão especial do processo até a decisão definitiva do Supremo sobre a validade da lei. A pedido do partido, Fachin decidiu paralisar a tramitação para evitar que atos futuros possam ser anulados pela Corte.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247