Chega de intermediárias: Neca para presidente!

No dia em que Maria Alice "Neca" Setúbal, herdeira do Itaú e financiadora de Marina Silva, decidiu falar em nome da candidata do Partido Socialista Brasileiro, o PSB, Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília, foi direto ao ponto: "Maria Alice fala do ponto mais importante: autonomia do Banco Central, medida que, nós sabemos, concentra o ponto fundamental da campanha de 2014 — permitir ao sistema financeiro recuperar o controle absoluto da política econômica, definindo a taxa de juros conforme análises e projeções de instituições privadas que atuam no mercado"; se é assim, por que não entregar a faixa presidencial à banqueira que coordena o programa de Marina?; será subir os juros?

No dia em que Maria Alice "Neca" Setúbal, herdeira do Itaú e financiadora de Marina Silva, decidiu falar em nome da candidata do Partido Socialista Brasileiro, o PSB, Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília, foi direto ao ponto: "Maria Alice fala do ponto mais importante: autonomia do Banco Central, medida que, nós sabemos, concentra o ponto fundamental da campanha de 2014 — permitir ao sistema financeiro recuperar o controle absoluto da política econômica, definindo a taxa de juros conforme análises e projeções de instituições privadas que atuam no mercado"; se é assim, por que não entregar a faixa presidencial à banqueira que coordena o programa de Marina?; será subir os juros?
No dia em que Maria Alice "Neca" Setúbal, herdeira do Itaú e financiadora de Marina Silva, decidiu falar em nome da candidata do Partido Socialista Brasileiro, o PSB, Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília, foi direto ao ponto: "Maria Alice fala do ponto mais importante: autonomia do Banco Central, medida que, nós sabemos, concentra o ponto fundamental da campanha de 2014 — permitir ao sistema financeiro recuperar o controle absoluto da política econômica, definindo a taxa de juros conforme análises e projeções de instituições privadas que atuam no mercado"; se é assim, por que não entregar a faixa presidencial à banqueira que coordena o programa de Marina?; será subir os juros? (Foto: Ana Pupulin)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O jornalista Paulo Moreira Leite, diretor do 247 em Brasília, defende que o socialista PSB lance Neca Setúbal, a banqueira do Itaú, como candidata no lugar de Marina Silva. Afinal, para que intermediárias? Nesta sexta, em entrevista à Folha, Neca falou em nome da candidata e prometeu medidas como a autonomia do Banco Central e a redução das metas de inflação (leia aqui).

Eis um trecho da análise de Paulo Moreira Leite:

"Na década de 1960, quando o embaixador norte-americano Lincoln Gordon dava seguidas e constrangedoras demonstrações de poder junto aos generais que tentavam dar a impressão de mandar no Brasil após o golpe militar, o jornalista Paulo Francis cunhou uma frase que ficou famosa: “chega de intermediários. Lincoln Gordon para presidente.”

Sessenta anos se passaram e o Brasil mudou bastante desde então. Morto em 1997, o próprio Paulo Francis tornou-se um barítono da direita brasileira, servindo de mestre para um conservadorismo que não conseguia renovar-se por si próprio.

O país se democratizou, os brasileiros fizeram uma constituição democrática e, dentro de poucas semanas, irão votar para presidente pela sétima vez consecutiva, em ambiente de paz e plena liberdade de expressão — isso nunca aconteceu na república brasileira, em período algum.

Com um histórico de desigualdade e exclusão, na última década o país conseguiu avanços memoráveis na luta contra a pobreza, por uma melhor distribuição de renda. É inegável.

Mas nem tudo se modificou, como mostra Fernando Rodrigues, na Folha de hoje.

A entrevista de Maria Alice Setúbal, a herdeira do Itaú, que, manda a tradição aristocrática brasileira, prefere ser tratada em público como Neca, apelido familiar, é um assombro.

Educadora, por profissão, Neca é, também, bilionária por herança. É uma conversa sem rodeios nem inibições. Desde a confirmação da candidatura Marina, a herdeira do Itaú foi confirmada como coordenadora do programa de governo. Lembra de Antonio Palocci, que teve um papel essencial na estruturação do governo Lula, depois da vitória de 2002, inclusive com a Carta ao Povo Brasileiro? Seu lugar no organograma era o mesmo. Imagine o poder de Neca.

Maria Alice fala do ponto mais importante: autonomia do Banco Central, medida que, nós sabemos, concentra o ponto fundamental da campanha de 2014 — permitir ao sistema financeiro recuperar o controle absoluto da política econômica, definindo a taxa de juros conforme análises e projeções de instituições privadas que atuam no mercado.
Nós sabemos que, hoje, o governo Dilma procura manter a inflação sob controle e tem obtido vitórias importantes — há quatro meses os preços estão em tendência de queda e as projeções indicam um movimento semelhante no próximo levantamento. Apesar disso, o governo não abre mão de proteger os salários e de tomar toda medida a seu alcance para manter o emprego, em seu mais baixo nível da história. Isso só é possível porque, mesmo sem dar ordens ao Banco Central, a presidência da República tem o poder de indicar e demitir seu presidente.

A autonomia do BC é a senha para se mudar isso. Em vez de deixar a política econômica em mãos de tecnocratas que respondem a uma autoridade eleita, o que se quer é dar independência aos diretores do banco, que passam a ter mandato e assim por diante. Independência de quem? Das autoridades que de uma forma ou outra expressam a soberania popular.

Leia a íntegra no blog de Paulo Moreira Leite

 

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247