CNMP demitiu "o mais desimportante" da Lava Jato para não ter que punir mais ninguém, diz Fernando Horta

Para o professor, Diogo Castor de Mattos está sendo usado como "bode expiatório" por um Ministério Público que quer "colocar debaixo do tapete" as ilegalidades da Lava Jato

(Foto: Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News

247 - O professor Fernando Horta disse em sua conta no Twitter, nesta segunda-feira (19), que a demissão do procurador Diogo Castor, do Ministério Público Federal (MPF), responsável por um outdoor em homenagem à "lava jato", é o menor dos problemas diante das ilegalidades da operação. 

Para Horta, a estratégia do Conselho Nacional do Ministério Público é desviar o olhar para quem “menos importa”.   

“Diogo Castor, o membro do MP demitido hoje é a exata definição de "bode expiatório".O MP, para não punir mais ninguém da lava a jato, demite o mais desimportante daquele grupo de criminosos e agora vai trabalhar para colocar debaixo do tapete todo o resto. Não comemorem”, diz o tuíte.

PUBLICIDADE

Por 6 votos a 5, nesta segunda-feira (18), a maioria do Conselho Nacional do Ministério referendou a recomendação da conselheira Fernanda Marinela de Sousa Santos, relatora do PAD, e decidiu pela demissão do procurador.

PUBLICIDADE

Assine o 247, apoie por Pix, inscreva-se na TV 247, no canal Cortes 247 e assista:


PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

PUBLICIDADE

Cortes 247

PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email