Collor vê ineditismo nas ruas

Ex-presidente do Brasil, deposto em impeachment, lista diferenças entre manifestações de hoje e as de 1992. "Nunca no país se mobilizou sem líderes e sem partidos por período tão longo. Se antes o cunho era eminentemente político, hoje somam-se vieses socioeconômico e de gestão pública, com o fio condutor pela mudança", diz

Collor vê ineditismo nas ruas
Collor vê ineditismo nas ruas (Foto: Pedro França)

247 – O ex-presidente Fernando Collor listou diferenças que marcam as atuais manifestações de rua das de 1992, que resultaram em seu impeachment do poder. Leia o artigo publicado na Folha:

O ineditismo das ruas

As manifestações de hoje não se comparam com as de 1992. Antes, pedia-se a destituição do presidente. Hoje as demandas são genéricas e difusas

Há meses, manifesto no Senado a preocupação com o esfacelamento das instituições, a crise entre os Poderes e o descrédito em relação à atividade política. No fundo, tudo está relacionado às reivindicações da sociedade neste momento de mobilização e protesto.

Como venho prenunciando, a crise institucional nos levou à derrocada do modelo de democracia representativa. Em outras palavras, levou ao fenômeno que chamei de paradoxo da legitimidade versus credibilidade. De maior legitimidade, com 100% de seus integrantes escolhidos pela população, o Legislativo é hoje o Poder de menor aceitação popular. O Judiciário, em cuja composição não há qualquer participação da sociedade, detém no momento a maior confiança da população. Entre os dois, o Executivo, em que apenas os chefes são eleitos e os demais integrantes, nomeados.

Tudo de que se tem reclamado, em última instância, deriva do atual sistema político, que há décadas se isola das forças sociais. Por isso defendo a adoção do parlamentarismo, que traria para dentro do Congresso a participação da sociedade civil.

Com o modelo parlamentar, as refregas políticas e institucionais são arrefecidas e a administração pública torna-se ágil e eficaz. Pois, sob o presidencialismo de coalizão, constatamos em todos os níveis uma máquina pública travada, amarrada politicamente ao gerir serviços públicos essenciais.

O que vemos é o trabalho de planejadores, gestores e executores ofuscado. O que prevalece é a atuação de procuradores, auditores e fiscais. Assim, trocamos o conteúdo pela forma, o fim pelo meio, a trena pelo papel. O resultado virou coadjuvante numa cena em que a burocracia é protagonista. Em nome da eficiência cega, perdemos o rumo da eficácia.

É fato ainda que essas manifestações em nada se comparam com as mais recentes vividas no país, a começar pela motivação e objetivos. Nos anos 60 e 70, lutava-se contra a ditadura e pela anistia. Nos anos 80, pleiteavam-se abertura e eleições diretas. Em 1992, pedia-se a destituição do presidente da República. Hoje as demandas são inúmeras, genéricas e difusas.

Também diferem na abrangência, pois jamais assistimos a protestos em tantas cidades e ao mesmo tempo, assim como nunca tanta gente de idades, classes e ofícios tão diversos saiu às ruas. Mesmo na duração, nunca se mobilizou sem líderes e sem partidos por período tão longo. Se antes o cunho era eminentemente político, hoje somam-se vieses socioeconômico e de gestão pública, com o fio condutor pela mudança.

Portanto, não há como igualar o que vemos hoje com o que se viu no passado recente. A cobertura dos meios de comunicação também mudou. Não se reporta mais dos palcos dos acontecimentos, mas de sobrevoos. Apesar da avalanche de informações, com horas de rádio e TV ao vivo, as notícias e análises carecem de mais nitidez e conteúdo e menos subterfúgios midiáticos.

Em alguns casos, pende-se para a dissimulação da verdade. Algo estranho está no ar. Talvez, recuando ainda mais no tempo às revoltas do Vintém (1879-80) e da Vacina (1904) e elevando-as à enésima potência, os confrades e confreiras de plantão encontrem respostas para os protestos do terceiro milênio.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247