Com fidelidade recorde na Câmara, Temer quer acelerar pauta-bomba

Entusiasmado com a fidelidade dos deputados no primeiro grande teste de seu governo na Câmara, o presidente Michel Temer quer usar o momento para acelerar a aprovação de medidas que considera prioritárias, mas que têm forte oposição popular, como a reforma da previdência, a Medida Provisória que altera o Ensino Médio, o projeto de lei do pré-sal, a MP que trata das concessões, e o projeto que permite a “venda” de créditos da União, Estados e Municípios; por trás dessa pressa toda está a preocupação na base com o impacto do aumento do desemprego já esperado pelo governo —estimativas indicam que deve chegar a 14 milhões até março de 2017

Com fidelidade recorde na Câmara, Temer quer acelerar pauta-bomba
Com fidelidade recorde na Câmara, Temer quer acelerar pauta-bomba

247 - Entusiasmado com os 83% de fidelidade dos deputados no primeiro grande teste de seu governo na Câmara, o presidente Michel Temer quer usar o momento para acelerar a aprovação de medidas que considera prioritárias, como a reforma da previdência, a Medida Provisória que altera o Ensino Médio, o projeto de lei do pré-sal, a MP que trata das concessões e o projeto que permite a “venda” de créditos da União, Estados e Municípios. 

Por trás dessa pressa toda está a preocupação na base com o impacto do aumento do desemprego já esperado pelo governo —estimativas indicam que deve chegar a 14 milhões até março de 2017, segundo o Estado de S.Paulo.

“Não pode ser uma novela, te de ser uma ministrei bem rápida”, disse Romero Jucá, sobre o ritmo que o governo pretende imprimir na apreciação das propostas.

O bom desempenho é atribuído a vários fatores. Como, por exemplo, o fato de Temer ter montado um ministério com muitos parlamentares. "Dos 24 ministros, dez são deputados e senadores licenciados, dois são ex-deputados e um é suplente de deputado. Outros dois são presidentes de partidos. Além disso Temer já presidiu a Câmara por três vezes."

"Dados do Basômetro, ferramenta do Estadão Dados,mostram que Temer obteve nos cinco meses à frente do Palácio do Planalto —incluindo o período de interinidade — uma taxa de apoio entre os deputados de 83%, mais de 20 pontos percentuais superior ao que a ex-presidente Dilma Rousseff conquistou em idêntico período do início do segundo mandato. É a maior adesão nos primeiros meses do mandato desde a primeira gestão de Lula."

Mesmo com os 366 votos a favor, 58 a mais do que o necessário para a aprovação da PEC 241, o governo não quer dar margem para deserções. Já há ameaças de retaliar quem da base aliada tenha votado contra a medida.

 

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247