Com Renan no Senado, Collor revive sua glória

Ex-presidente já teve com seu amigo Calheiros projeto de 20 anos de poder; agora, depois de mais baixos do que altos, ele experimenta o doce sabor da vingança; com forte influência nos bastidores, estratégico para o PT e falando grosso com a mídia tradicional e o procurador Roberto Gurgel, a quem chamou de "chantagista", Fernando Collor, goste-se ou não, está em alta

Com Renan no Senado, Collor revive sua glória
Com Renan no Senado, Collor revive sua glória
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O ex-presidente Fernando Collor, goste-se dele ou não, é o maior vencedor na espuma da vitória de Renan Calheiros para a presidência do Senado. Amigo pessoal do senador, que foi seu ministro de Articulação Política, Collor chegou a firmar com Renan, nos seus tempos de presidente, um pacto para permanecer por 20 anos no poder. Os planos não fluíram como ele esperava – e por um longo momento histórico ambos foram dados como proscritos do meio político. Collor, pelo impeachment, em 1992. Renan, com a renúncia ao mandato de senador, em 2007. Hoje, eles sorriem do destino.

Vinte e dois anos após o início da governo Collor, além estarem em pleno exercício de seus mandatos de senadores por Alagoas, Collor e Renan formam a principal parceria da Casa. De estilo mais calmo e reflexivo, Renan terá em Collor o complemento de quem fala alto, gesticula e usa as palavras como um sabre. Dos 81 senadores, sem dúvida o ex-presidente é o que empurra aos limites mais distantes os benefícios da imunidade parlamentar.

Antes de completar dois anos de mandato, de um total de oito, Collor já se especializou em chamar a revista Veja, carro-chefe da Grupo Abril, de “revista bandida” e de “gangsters” o editor-chefe Policarpo Junior e o patrão Roberto Civita. Ele não cai em provocações, como as feitas, durante a CPI do Cachoeira, pelo deputado Miro Teixeira, que insinou que o ex-presidente ressurgiu “dos esgotos da política”.

Sem tempo para ser conciliador, Collor despejou sobre o procurador geral da República, Roberto Gurgel, um pedido de impeachment do cargo e, em razão da ação contra Renan que Gurgel entregou ao STF, o brindou com os epítetos de “chantagista” e “prevaricador”.

A postura agressiva de Collor frente ao Judiciário é em tudo útil para o PT que viu sua primeira geração de líderes cair aos pés da toga de Joaquim Barbosa. Trata-se, afinal, de mais uma voz que procura isolar o Judiciário das movimentações do Legislativo.

Como presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Collor poder exibir, ali, sua face de ex-presidente, mais diplomática. O cargo faz dele uma peça estratégica para a aprovação, pelo governo, dos nomes de todos os embaixadores do País no exterior.

Atuando em várias frentes, e agora com um ex-auxiliar no comando do Senado, o que se viu de Fernando Collor até aqui é pouco, certamente, em que relação ao que ele vai apresentar daqui por diante. O furacão Collor apenas começou a soprar.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247