“Condições estão criadas para votar MP ainda hoje”, diz Guimarães

De acordo com o líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), o PT "trabalha [para ter a concordância de] 100% da bancada. Esse é o esforço do líder [do partido na Câmara] Sibá Machado"; a base governista aguarda um posicionamento do partido sobre a MP 665 – que altera acesso a benefícios como seguro-desemprego, abono salarial e seguro defeso – para tentar fazer com que a matéria avance na Câmara

De acordo com o líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), o PT "trabalha [para ter a concordância de] 100% da bancada. Esse é o esforço do líder [do partido na Câmara] Sibá Machado"; a base governista aguarda um posicionamento do partido sobre a MP 665 – que altera acesso a benefícios como seguro-desemprego, abono salarial e seguro defeso – para tentar fazer com que a matéria avance na Câmara
De acordo com o líder do governo, deputado José Guimarães (PT-CE), o PT "trabalha [para ter a concordância de] 100% da bancada. Esse é o esforço do líder [do partido na Câmara] Sibá Machado"; a base governista aguarda um posicionamento do partido sobre a MP 665 – que altera acesso a benefícios como seguro-desemprego, abono salarial e seguro defeso – para tentar fazer com que a matéria avance na Câmara (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Carolina Gonçalves – Repórter da Agência Brasil

O PT deve se posicionar politicamente ainda hoje (6) sobre a Medida Provisória 665 – que trata das novas regras para acesso ao seguro-desemprego, abono salarial e seguro defeso – para tentar fazer com que a matéria avance na Câmara. A sinalização do partido foi passada durante reunião de líderes da Câmara com o vice-presidente da República, Michel Temer, pela manhã.

"Estão criadas as condições políticas para votarmos a matéria ainda hoje. Estamos trabalhando [para ter a concordância de] 100% da bancada do PT. Esse é o esforço do líder [do partido na Câmara] Sibá Machado", garantiu o líder do governo na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE).

Guimarães tem mantido o otimismo em relação à matéria desde a aprovação da MP na comissão mista e ontem se dedicou a fechar questão com a bancada, mas o dia acabou sem resultado e a matéria não foi votada. Segundo ele, se PT e PMDB se unirem, a base aliada consegue aprovar a MP.

O líder do PMDB, Leonardo Picciani, no entanto, voltou a afirmar que a base não vai se manifestar enquanto o partido do governo não se posicionar oficialmente. "O mérito já está discutido. Nós, evidentemente, não achamos agradáveis as medidas mas, muitas vezes, é necessário tomar medidas amargas para um futuro melhor, mas esse convencimento precisa partir de todos, principalmente do partido que lidera o governo", explicou.

O peemedebista voltou a citar o programa do PT veiculado na noite de ontem na televisão, quando o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva criticou a aprovação do projeto de lei da Terceirização. Segundo ele, o discurso deixou uma "dúvida" entre os aliados. "A fala do ex-presidente Lula nos deixou com esta dúvida: se o PT, de fato, acha necessário o ajuste. Se não há uma unidade e se o partido da presidente não acha que seja imprescíndivel discutir esse assunto, vamos discutir outras matérias", explicou.

O líder do PR, deputado Maurício Quintella Lessa (AL), que também participou das conversas com Temer, reforçou a cobrança: "[o PT precisa fechar questão] para que a base inteira acompanhe e a gente não tenha problema na aprovação da matéria".

As lideranças cogitam, inclusive, a possibilidade de pedir que a matéria seja retirada da pauta até que haja sinalização clara. A MP é o primeiro item da sessão extraordinária agendada para as 12h de hoje. O texto, que foi resultado de uma intensa negociação entre o Palácio do Planalto e o Congresso, é o primeiro passo na direção do ajuste fiscal defendido pelo governo inclusive para minimizar cortes no Orçamento previstos para serem divulgados neste mês.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247