Contra onda de pessimismo, Dilma vai a Davos

Presidente confirma presença pela primeira vez no Fórum Econômico Mundial, na Suíça, em janeiro; encontro com empresários e banqueiros mais ricos do mundo será primeira ofensiva do governo brasileiro para quebrar a desconfiança do setor financeiro internacional contra sua administração; discurso de Dilma será embasado no sucesso das concessões e terá de dividir as atenções com o também presidenciável Eduardo Campos (PSB), que foi convidado ao evento e deve levar sua aliada, a ex-senadora Marina Silva

Presidente confirma presença pela primeira vez no Fórum Econômico Mundial, na Suíça, em janeiro; encontro com empresários e banqueiros mais ricos do mundo será primeira ofensiva do governo brasileiro para quebrar a desconfiança do setor financeiro internacional contra sua administração; discurso de Dilma será embasado no sucesso das concessões e terá de dividir as atenções com o também presidenciável Eduardo Campos (PSB), que foi convidado ao evento e deve levar sua aliada, a ex-senadora Marina Silva
Presidente confirma presença pela primeira vez no Fórum Econômico Mundial, na Suíça, em janeiro; encontro com empresários e banqueiros mais ricos do mundo será primeira ofensiva do governo brasileiro para quebrar a desconfiança do setor financeiro internacional contra sua administração; discurso de Dilma será embasado no sucesso das concessões e terá de dividir as atenções com o também presidenciável Eduardo Campos (PSB), que foi convidado ao evento e deve levar sua aliada, a ex-senadora Marina Silva (Foto: Roberta Namour)

247 – Após adotar uma estratégia de aproximação como setor privado no Brasil, a presidente Dilma Rousseff começa o ano com uma grande missão: conquistar o empresariado e o comunidade financeira internacional. A onda de pessimismo propagada pela imprensa tradicional e replicada por revistas internacionais como a Economist, tem causado desconfiança sobre a administração política brasileira.

Para interromper esse ciclo, a presidente confirmou presença, pela primeira vez, no Fórum Econômico Mundial, em Davos, em janeiro. Segundo Vera Magalhães, do Painel, da Folha de S. Paulo, presidente pretende mostrar-se aberta ao mercado e fará um discurso centrado no sucesso das concessões. Terá encontros com empresários e banqueiros.

Nos últimos dez anos, o Brasil ocupou um lugar de destaque no Fórum. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou a ganhar o prêmio de estadista do ano em uma das edições.

Em 2012, o governo brasileiro organizou uma festa avaliada em US$ 5 milhões para promover o País, mas sem a presença da presidente Dilma, que foi representada pelo ministro Guido Mantega.

Para esta edição, a entidade publicou um informe sobre as perspectivas para 2014. Para a América Latina, destaca a questão de desigualdade social, o baixo crescimento e a educação como os grandes desafios identificados por empresários de todo o mundo.

Dilma terá de dividir as atenções com o também presidenciável Eduardo Campos (PSB), que foi convidado ao evento e deve levar sua aliada, a ex-senadora Marina Silva.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247