Costa delata: bomba atômica no Congresso

Em depoimento no Ministério Público, protegido pela delação premiada, ex-diretor da Petrobras apontou nada menos que 61 parlamentares, entre deputados e senadores, um governador de Estado e cinco partidos políticos como beneficiários de propinas em contratos; comissões seriam de 3% do valor tratado com empreiteiras; entre as grandes, quase todas teriam sido citadas por ele, segundo o serviço Broadcast da Agência Estado; "Esquema ia do terceiro escalão até a cúpula da empresa", delatou Paulo Roberto Costa; promessa de bomba sobre o Congresso sendo cumprida; políticos atingidos em pleno fase decisiva das eleições

Em depoimento no Ministério Público, protegido pela delação premiada, ex-diretor da Petrobras apontou nada menos que 61 parlamentares, entre deputados e senadores, um governador de Estado e cinco partidos políticos como beneficiários de propinas em contratos; comissões seriam de 3% do valor tratado com empreiteiras; entre as grandes, quase todas teriam sido citadas por ele, segundo o serviço Broadcast da Agência Estado; "Esquema ia do terceiro escalão até a cúpula da empresa", delatou Paulo Roberto Costa; promessa de bomba sobre o Congresso sendo cumprida; políticos atingidos em pleno fase decisiva das eleições
Em depoimento no Ministério Público, protegido pela delação premiada, ex-diretor da Petrobras apontou nada menos que 61 parlamentares, entre deputados e senadores, um governador de Estado e cinco partidos políticos como beneficiários de propinas em contratos; comissões seriam de 3% do valor tratado com empreiteiras; entre as grandes, quase todas teriam sido citadas por ele, segundo o serviço Broadcast da Agência Estado; "Esquema ia do terceiro escalão até a cúpula da empresa", delatou Paulo Roberto Costa; promessa de bomba sobre o Congresso sendo cumprida; políticos atingidos em pleno fase decisiva das eleições (Foto: Marco Damiani)

247 – O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa depôs nesta sexta-feira 5 aos promotores do Ministério Público, em Curitiba (PR). Protegido pela delação premiada, ele já apontou nada menos que 61 parlamentares, entre senadores e deputados, e um governador de Estado como beneficiários de esquemas de pagamentos de propinas a partir de contratos da Petrobras com empreiteiras indicadas pelos políticos. 

Segundo Costa, as propinas eram de 3% sobre o valor de cada contrato. "O esquema ia do terceiro escalão até a cúpula da companhia", teria dito ele, segundo as primeiras informações. Promessa de apertar o botão de uma bomba sobre o Congresso vai sendo cumprida. A notícia foi divulgada inicialmente pelo serviço Broadcast, da Agência Estado.

Costa está depondo ao Ministério Público desde a sexta-feira 29. O trato com o MP é o de colocar o depoente em liberdade assim após a série de revelação. O ex-diretor da Petrobras foi preso durante as diligências da Operação Lava Jato, e prometeu que, se contasse sua história, "não vai haver eleição". A notícia dos primeiros vazamentos sobre seus depoimentos colocaram em transe os grandes partidos políticos e a maior parte dos deputados e senadores.

"Todo dia tinha político batendo na minha porta", teria dito ele, segundo a Agência Estado, em um dos depoimentos, para ilustrar seu relacionamento com as grandes empreiteiras e os parlamentares. Ao final do depoimento, as transcrições e observações do Ministério Público serão levadas à Procuradoria Geral da República. A órgão caberá abrir processos contra personagens com foro judicial privilegiado.

Com depoimentos gravados em vídeo, Costa pode obter um ótimo benefício com a delação premiada. Em lugar de se arriscar a uma condenação de mais de 50 de prisão, ele poderá sair livre ao final do processo. Costa assumiu a diretoria de Abastecimento da Petrobras no primeiro ano do governo Lula, indicado pelo então presidente do PP, José Janene.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247