Cunha deve renunciar à Presidência da Câmara na segunda

Pressionado por aliados a deixar o cargo de presidente da Câmara, do qual já está afastado, por suspensão do Supremo Tribunal Federal, Eduardo Cunha (PMDB-RJ) se reunirá com líderes da base na próxima segunda-feira 20, quando também deverá fazer um pronunciamento; resistente à ideia, Cunha pode ter sido influenciado pelos acontecimentos recentes, como a decisão do juiz Sérgio Moro que tornou sua mulher, Cláudia Cruz, ré na Lava Jato, e o avanço do processo de cassação na Câmara para o plenário, onde certamente será derrotado; a reunião de segunda tem como pauta discutir "uma saída" para o deputado; rumores dos últimos dias deram conta até de que ele pensa em delação premiada

www.brasil247.com - Presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, em coletiva de imprensa, em Brasília 05/05/2016 REUTERS/Ueslei Marcelino
Presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, em coletiva de imprensa, em Brasília 05/05/2016 REUTERS/Ueslei Marcelino (Foto: Gisele Federicce)


247 - Prestes a perder o mandato, o presidente afastado da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), convocou líderes e aliados para uma reunião nesta segunda-feira (20) com o objetivo de discutir uma saída para a sua delicada situação. O parlamentar deve fazer um pronunciamento no dia seguinte, terça-feira, em um hotel de Brasília. A ideia é que os integrantes de sua base reforçarão a proposta de que ele renuncie ao cargo para cuidar de sua defesa. Segundo os bastidores, Cunha pode fazer delação premiada, o que, se acontecer, estremecerá o governo Michel Temer. 

Alvo de três denúncias, o parlamentar já teria dito que, se cair, levará consigo cerca de 150 deputados, mais um ministro e um senador, de acordo com a coluna Andreza Matais e Marcello de Moraes, publicadas no Estado, na semana passada. Cunha, no entanto, nega que fará delação.

Para o encontro desta segunda já foram convocados para o encontro líderes do Centrão, Aguinaldo Ribeiro (PP), Rogério Rosso (PSD) e Jovair Arantes (PTB), e os que sã considerados fiéis a Cunha, como Paulinho da Força (SD-SP) e Carlos Marun (PMDB-MS). 

O presidente afastado da Câmara foi alvo de um processo por quebra de decoro parlamentar. Ele disse, em seu depoimento à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Petrobras, em março de 2015, que não possuía contas no exterior. Mas documentos enviados por autoridades suíças à Procuradoria Geral da República (PGR) apontaram que ele mantinha ao menos quatro contas no País europeu. 

Em março deste ano, o peemedebista passou a ser réu na primeira ação penal no STF originada das investigações da Operação Lava Jato, pois no dia 3 daquele mês, Supremo Tribunal Federal (STF) acolheu, por 10 votos a 0, a denúncia do procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra Eduardo Cunha por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O peemedebista é acusado de exigir e receber ao menos US$ 5 milhões em propina de um contrato do estaleiro Samsung Heavy Industries com a Petrobras. 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) julgará em 22 de junho a segunda denúncia apresentada pela PGR contra Cunha, justamente a que está relacionada às contas bancárias no exterior, disse nesta terça-feira (14) à Reuters uma fonte com conhecimento do andamento da ação.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Além da acusação negociar propina para o contrato do estaleiro e de ter mentido na CPI da Petrobras ao negar ter contas no exterior, Cunha enfrenta uma terceira acusação. Um dos delatores da 'Lava Jato', o empresário Ricardo Pernambuco Júnior, da Carioca Engenharia, afirmou que as empresas ligadas à construção do Porto Maravilha, no Rio de Janeiro, teriam que pagar R$ 52 milhões em propinas [cerca de ou 1,5% do valor total dos Certificados de Potencial de Área Construtiva (Cepac)] a Cunha (veja aqui).

Mulher de Cunha virá ré na Lava Jato 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

No começo do mês, o juiz Sérgio Moro aceitou a denúncia da força-tarefa da Lava-Jato contra a mulher de Cunha, a jornalista Claudia Cruz, acusada de lavagem de dinheiro e evasão de divisas. De acordo com as investigações, há indícios de que parte da propina desviada da Petrobras abasteceu contas no exterior em nome de off-shores e trusts usados para pagar cartões de crédito internacional utilizados por Claudia Cruz. A filha de Cunha, Danielle Dytz, não foi denunciada, mas é investigada, segundo a força-tarefa.

As investigações apontaram que Cláudia sabia dos crimes que praticava e era a única controladora da conta em nome da offshore Köpek, na Suíça, por meio da qual pagou despesas de cartão de crédito no exterior. Entre 2008 e 2014, ela gastou mais de US$ 1 milhão. A denúncia do Ministério Público Federal (MPF) apontou que o gasto foi “totalmente incompatível com os salários e o patrimônio lícito” dela e de Cunha. Quase todo o dinheiro depositado na Köpek (99,7%) teve origem nas contas Triumph SP (US$ 1.050.000,00), Netherton (US$ 165 mil) e Orion SP (US$ 60 mil), todas pertencentes a Eduardo Cunha.

Também viraram réus o ex-diretor a área internacional da estatal, Jorge Luiz Zelada, por corrupção passiva, o empresário português proprietário da CBH Idalécio de Castro Rodrigues de Oliveira, acusado de corrupção ativa e lavagem de dinheiro; e o operador João Augusto Rezende Henriques, denunciado por lavagem de dinheiro, evasão de divisas e corrupção passiva.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

 

 

 

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email