Cunha Lima: PSDB não aceitará cooptação

Líder tucano no Senado, Cássio Cunha Lima afirmou que “a conversa do Michel Temer com o PSDB não pode ser na base da cooptação individual, o partido não aceitará”, em referência à aproximação do vice com o senador José Serra; “Admitimos construir um relacionamento institucional, respeitoso e programático. Isso independe de cargos”, disse, em entrevista ao blog do Josias

Líder tucano no Senado, Cássio Cunha Lima afirmou que “a conversa do Michel Temer com o PSDB não pode ser na base da cooptação individual, o partido não aceitará”, em referência à aproximação do vice com o senador José Serra; “Admitimos construir um relacionamento institucional, respeitoso e programático. Isso independe de cargos”, disse, em entrevista ao blog do Josias
Líder tucano no Senado, Cássio Cunha Lima afirmou que “a conversa do Michel Temer com o PSDB não pode ser na base da cooptação individual, o partido não aceitará”, em referência à aproximação do vice com o senador José Serra; “Admitimos construir um relacionamento institucional, respeitoso e programático. Isso independe de cargos”, disse, em entrevista ao blog do Josias (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Líder tucano no Senado, Cássio Cunha Lima afirmou que “a conversa do Michel Temer com o PSDB não pode ser na base da cooptação individual, o partido não aceitará”. Ele se referia à aproximação do vice com o senador José Serra. “Admitimos construir um relacionamento institucional, respeitoso e programático. Isso independe de cargos”, disse, em entrevista ao blog do Josias.

“Não admitimos que o pessoal do PMDB faça conosco o que o PT fez com eles. Estamos há quase 14 anos na oposição. E não chegamos até aqui para fazer esse papel. Esse tipo de coalizão fisiológica está falido. Se repetir o modelo, Temer começa muito mal.”

O PSDB tem em mãos um documento com a exigência de mudanças na forma de construir a coalizão política que dará suporte congressual ao governo. Passa pela defesa da continuidade da Operação Lava Jato. Menciona a preservação dos programas sociais. E reafirma a necessidade de reformas como a da Previdência e a política. O texto será submetido à Executiva da legenda, em reunião marcada para 3 de maio (leia aqui).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email