Cunha pede a cabeça de Moreira e o vê como "raposa no galinheiro"

O ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), responsável pelo golpe parlamentar de 2016, que permitiu a ascensão de Michel Temer ao poder, pediu hoje a cabeça de Moreira Franco, um dos principais conselheiros do presidente; Moreira foi acusado por um delator da Odebrecht de cobrar propina de R$ 3 milhões para enterrar o projeto de um aeroporto concorrente em São Paulo; "É uma mentira afrontosa", disse Moreira; Cunha, no entanto, afirmou que Moreira, responsável pelo programa de privatizações de Temer, é a "raposa no galinheiro" e diz que ele não condições de continuar no governo

O ministro, Moreira Franco, o Vice Presidente Michel Temer, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, durante apresentação das Mídias Digitais do PMDB na Fundação Ulisses Guimarães (Antônio Cruz/Agência Brasil)
O ministro, Moreira Franco, o Vice Presidente Michel Temer, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, durante apresentação das Mídias Digitais do PMDB na Fundação Ulisses Guimarães (Antônio Cruz/Agência Brasil) (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Assim que retornar da cúpula dos BRICs, em Goa, o presidente Michel Temer terá uma crise de grandes proporções para administrar.

Neste sábado, seu assessor Moreira Franco, que toca seu programa de privatizações e atração de investimentos, foi acusado por um delator da Odebrecht de cobrar R$ 3 milhões, como propina e não como doação eleitoral, para sabotar o projeto de um aeroporto, em São Paulo, que concorreria com o Galeão (leia mais aqui).

Por meio de nota, Moreira Franco rebateu o delator e disse que a acusação é uma "mentira afrontosa" (leia aqui).

A novidade, no entanto, foi a entrada de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na polêmica. Responsável pelo golpe parlamentar de 2016, e conhecedor de muitos dos segredos de Temer, Cunha exigiu a cabeça de Moreira. Nas redes sociais, ele afirmou que sua permanência no governo é insustentável e disse ainda se tratar de uma "raposa no galinheiro".

Réu na Lava Jato, num inquérito no Paraná, nas mãos do juiz Sergio Moro, e outro em Brasília, no Supremo Tribunal Federal, Cunha prepara um livro em que promete contar todos os bastidores do golpe.



Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247