Cunha: 'Será difícil levar impeachment adiante'

Em meio à crise política e as manobras da Câmara para votar as contas da presidente Dilma Rousseff, presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB), reconhece que o movimento pelo impeachment acabou; diz que o processo não pode considerar a interrupção de um mandato por irregularidades praticadas no mandato anterior; “Será muito difícil levar adiante o processo”; segundo ele, o impeachment deve ser tratado de forma técnica, não pode ser visto como um ‘recurso eleitoral’ ou um instrumento para tirar do poder um governo impopular; “Não se viu até agora nenhum comportamento meu imaturo em relação a isso”, alega 

Em meio à crise política e as manobras da Câmara para votar as contas da presidente Dilma Rousseff, presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB), reconhece que o movimento pelo impeachment acabou; diz que o processo não pode considerar a interrupção de um mandato por irregularidades praticadas no mandato anterior; “Será muito difícil levar adiante o processo”; segundo ele, o impeachment deve ser tratado de forma técnica, não pode ser visto como um ‘recurso eleitoral’ ou um instrumento para tirar do poder um governo impopular; “Não se viu até agora nenhum comportamento meu imaturo em relação a isso”, alega 
Em meio à crise política e as manobras da Câmara para votar as contas da presidente Dilma Rousseff, presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB), reconhece que o movimento pelo impeachment acabou; diz que o processo não pode considerar a interrupção de um mandato por irregularidades praticadas no mandato anterior; “Será muito difícil levar adiante o processo”; segundo ele, o impeachment deve ser tratado de forma técnica, não pode ser visto como um ‘recurso eleitoral’ ou um instrumento para tirar do poder um governo impopular; “Não se viu até agora nenhum comportamento meu imaturo em relação a isso”, alega  (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – Após romper com o governo, abrir caminho para pedidos de impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara e manobrar para votar as contas do governo, presidente da Casa, Eduardo Cunha (PMDB), reconhece que o processo acabou.

Em entrevista ao Valor, ele afirma que o processo não pode considerar a interrupção de um mandato por irregularidades praticadas no mandato anterior: “Será muito difícil levar adiante o processo de impeachment”.

Segundo ele, o impeachment deve ser tratado de forma técnica, não pode ser visto como um ‘recurso eleitoral’ ou um instrumento para tirar do poder um governo impopular. “Não se viu até agora nenhum comportamento meu imaturo em relação a isso”, alega, negando a existência de uma pauta-bomba no Congresso (leia mais).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email