Delação amplia pressão contra Temer no TSE

Otávio Azevedo, ex-presidente da Andrade Gutierrez, disse ter pago R$ 1 milhão à chapa Dilma-Temer, em 2014, como propina disfarçada de doação eleitoral, na ação que corre no Tribunal Superior Eleitoral e pede a cassação da dupla; se a ação vier a ser julgada neste ano, e houver a condenação, o Brasil terá novas eleições em 2016; depois de ser acusado de segurar esse processo para jogá-lo para 2017, quando haveria eleições indiretas, o ministro Gilmar Mendes disse que não controla o relógio do TSE e afirmou que, se o relator afirmar que o caso está pronto para votar, o colocará em pauta

Otávio Azevedo, ex-presidente da Andrade Gutierrez, disse ter pago R$ 1 milhão à chapa Dilma-Temer, em 2014, como propina disfarçada de doação eleitoral, na ação que corre no Tribunal Superior Eleitoral e pede a cassação da dupla; se a ação vier a ser julgada neste ano, e houver a condenação, o Brasil terá novas eleições em 2016; depois de ser acusado de segurar esse processo para jogá-lo para 2017, quando haveria eleições indiretas, o ministro Gilmar Mendes disse que não controla o relógio do TSE e afirmou que, se o relator afirmar que o caso está pronto para votar, o colocará em pauta
Otávio Azevedo, ex-presidente da Andrade Gutierrez, disse ter pago R$ 1 milhão à chapa Dilma-Temer, em 2014, como propina disfarçada de doação eleitoral, na ação que corre no Tribunal Superior Eleitoral e pede a cassação da dupla; se a ação vier a ser julgada neste ano, e houver a condenação, o Brasil terá novas eleições em 2016; depois de ser acusado de segurar esse processo para jogá-lo para 2017, quando haveria eleições indiretas, o ministro Gilmar Mendes disse que não controla o relógio do TSE e afirmou que, se o relator afirmar que o caso está pronto para votar, o colocará em pauta (Foto: Leonardo Attuch)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O governo Michel Temer ganhou ontem mais um fator de instabilidade, que se soma à baixa aprovação popular e aos protestos de rua que pedem sua saída do cargo.

Ontem, em depoimento no Tribunal Superior Eleitoral, o executivo Otávio Azevedo, ex-presidente da Andrade Gutierrez, disse ter pago R$ 1 milhão à chapa Dilma-Temer, em 2014, como propina disfarçada de doação eleitoral. Os recursos seriam derivados das obras da usina de Belo Monte, no Pará.

Se a ação que pede a cassação da dupla vier a ser julgada neste ano, e houver a condenação, o Brasil terá novas eleições ainda em 2016. Caso fique para 2017, haveria eleições indiretas, com o Congresso Nacional escolhendo um novo presidente.

Ontem, o ministro Gilmar Mendes disse que não controla o relógio do TSE e afirmou que, se o relator afirmar que o caso está pronto para votar, o colocará em pauta.

No depoimento de Otávio Azevedo, o ministro Herman Benjamin, relator no TSE, perguntou de onde vinha o dinheiro, e Azevedo respondeu que era estabelecido que a doação da empresa deveria ser de 2% de todos os contratos.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247