Delatores reforçam propinas a Serra e ao PSDB

Carlos Henrique Barbosa Lemos, ex-diretor da OAS, afirmou em depoimento à Polícia Federal que empreiteiras fizeram um acordo em 2006 para o repasse de R$ 30 milhões ao ex-secretário de Transportes de São Paulo Dario Rais Lopes; segundo ele, os recursos eram referentes a obras do Rodoanel e abasteceram o caixa 2 do PSDB; delatores das empreiteiras afirmaram que, na época, o então diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, solicitou propina de 0,75% do total recebido por cada empresa vencedora dos lotes das obras do trecho sul

Brasília - Ministro das Relações Exteriores, José Serra, fala à imprensa após reunião com o presidente Michel Temer, no Palácio do Planalto (Valter Campanato/Agência Brasil)
Brasília - Ministro das Relações Exteriores, José Serra, fala à imprensa após reunião com o presidente Michel Temer, no Palácio do Planalto (Valter Campanato/Agência Brasil) (Foto: Aquiles Lins)

247 - Em depoimentos à Polícia Federal no inquérito que investiga o senador José Serra (PSDB), ex-executivos da OAS e da Andrade Gutierrez afirmaram que pagaram propinas a autoridades de São Paulo, que, segundo eles, tinham como destino final a campanha do PSDB ao governo do Estado em 2006.

Carlos Henrique Barbosa Lemos, ex-diretor da OAS, afirmou que empreiteiras fizeram um acordo em 2006 para o repasse de R$ 30 milhões ao ex-secretário de Transportes de São Paulo Dario Rais Lopes. Segundo ele, os recursos eram referentes a obras do Rodoanel e abasteceram o caixa 2 do PSDB.

Lemos disse ainda que parte dos valores foi repassada em espécie para Mário Rodrigues Júnior, então Diretor de Engenharia da Dersa. Outra parte, segundo ele, foi "transferida na forma de doações eleitorais ao PSDB devidamente registradas na Justiça Eleitoral". Rodrigues Júnior foi citado por delatores da Odebrecht como destinatário de um repasse de R$ 1,2 milhão.

Após a eleição de Serra ao governo estadual, os contratos com as empreiteiras pelo Rodoanel foram renegociados em 2007 pelo governo, o que levou a uma redução de 5% do valor global. Os delatores das empreiteiras afirmaram que, na época, o então diretor da Dersa, Paulo Vieira de Souza, solicitou propina de 0,75% do total recebido por cada empresa vencedora dos lotes das obras do trecho sul.

As informações são do Estado de S. Paulo

 

Ao vivo na TV 247 Youtube 247