Dilma enfrenta PMDB e Temer desautoriza Cunha

Após encontro com o vice-presidente, sem a presença de caciques do PMDB, presidente avisa que pretende nomear ministros nos próximos dias mesmo sem o aval da legenda; Temer, por sua vez, defendeu o 'casamento com o PT' e diz que apenas a convenção nacional decidirá futuro de peemedebistas, em referência indireta a Eduardo Cunha; líder do partido na Câmara chegou a ameaçar rompimento da aliança; nesta manhã, Dilma vai receber grupos separados do partido, do Senado e da Câmara, para tentar desarmar pressão sobre o governo

Após encontro com o vice-presidente, sem a presença de caciques do PMDB, presidente avisa que pretende nomear ministros nos próximos dias mesmo sem o aval da legenda; Temer, por sua vez, defendeu o 'casamento com o PT' e diz que apenas a convenção nacional decidirá futuro de peemedebistas, em referência indireta a Eduardo Cunha; líder do partido na Câmara chegou a ameaçar rompimento da aliança; nesta manhã, Dilma vai receber grupos separados do partido, do Senado e da Câmara, para tentar desarmar pressão sobre o governo
Após encontro com o vice-presidente, sem a presença de caciques do PMDB, presidente avisa que pretende nomear ministros nos próximos dias mesmo sem o aval da legenda; Temer, por sua vez, defendeu o 'casamento com o PT' e diz que apenas a convenção nacional decidirá futuro de peemedebistas, em referência indireta a Eduardo Cunha; líder do partido na Câmara chegou a ameaçar rompimento da aliança; nesta manhã, Dilma vai receber grupos separados do partido, do Senado e da Câmara, para tentar desarmar pressão sobre o governo (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – A presidente Dilma Rousseff decidiu não ceder às chantagens de rebeldes do PMDB e mandou avisar os caciques que não deve satisfações ao partido sobre os rumos da reforma ministerial. Após se reunir no início da noite de domingo com o vice-presidente Michel Temer, no Palácio do Alvorada, enquanto líderes da legenda ficaram à espera no Palácio do Jaburu, vizinho, ela informou que pretende nomear ministros nos próximos dias mesmo sem o aval do PMDB.

Ao desconvidar o presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), o presidente da Câmara, Henrique Alves (RN), e o presidente nacional da legenda, Valdir Raupp, da reunião, Dilma enviou sinal de força. 

Presidente demonstrou irritação com o líder do PMDB na Câmara, o deputado federal Eduardo Cunha (RJ), mas foi tranquilizada por Temer. O vice-presidente desautorizou indiretamente o líder do partido na Câmara, que chegou a ameaçar o PT de rompimento. 

"Não é A nem B ou C nem sou eu quem vai dizer se o partido vai para um lado ou para o outro. É a convenção nacional que decide o que deve ser feito. Tem dois terços que pensam em manter o casamento e, portanto, a maioria é pela manutenção da aliança, como eu", disse antes do encontro.

Presidente ofereceu novamente o Ministério do Turismo para o senador Vital do Rêgo (PMDB-PB) e não se mostrou disposta a ampliar o espaço do PMDB na Esplanada. 

Com a decisão, ela tenta isolar Cunha e desarmar o chamado ‘Blocão’ de independentes da câmara. Hoje pela manhã, a Dilma deve receber novamente Temer, acompanhado de Renan Calheiros e do líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE). Na sequência, deve se reunir com Henrique Alves e Valdir Raupp.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email