Dilma está pessimista com chances de Padilha em SP

Desempenho do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha na disputa pelo maior colégio eleitoral do Brasil decepcionou a campanha da presidente pela reeleição; interlocutores de Dilma já até admitem que o candidato do PMDB à sucessão de Geraldo Alckmin (PSDB), Paulo Skaf, presidente da Fiesp, pode ser a aposta para um segundo turno

Desempenho do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha na disputa pelo maior colégio eleitoral do Brasil decepcionou a campanha da presidente pela reeleição; interlocutores de Dilma já até admitem que o candidato do PMDB à sucessão de Geraldo Alckmin (PSDB), Paulo Skaf, presidente da Fiesp, pode ser a aposta para um segundo turno
Desempenho do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha na disputa pelo maior colégio eleitoral do Brasil decepcionou a campanha da presidente pela reeleição; interlocutores de Dilma já até admitem que o candidato do PMDB à sucessão de Geraldo Alckmin (PSDB), Paulo Skaf, presidente da Fiesp, pode ser a aposta para um segundo turno (Foto: Roberta Namour)

247 – A campanha da presidente Dilma Rousseff pela reeleição está pessimista quanto às chances do ex-ministro da Saúde Alexandre Padilha na disputa pelo governo de São Paulo.

A candidatura de Padilha foi decisão do ex-presidente Lula dentro do PT, mas não tem decolado no maior colégio eleitoral do Brasil.

Interlocutores da presidente já até admitem que o candidato do PMDB à sucessão de Geraldo Alckmin (PSDB), Paulo Skaf, presidente da Fiesp, pode ser a aposta para um segundo turno.

No eleitorado de Dilma, o governador tucano Geraldo Alckmin tem quase metade (48%) das intenções de voto. Paulo Skaf (PMDB) aparece com 20%, e o petista Alexandre Padilha, com apenas 8%.

Além de ser o menos conhecido pelo eleitor paulista, Padilha foi citado na Operação Lava Jato, que prendeu o doleiro Alberto Youssef, por esquema de lavagem de dinheiro.

Leia aqui a matéria de Marina Dias sobre o assunto.

 

Conheça a TV 247

Mais de Poder

Ao vivo na TV 247 Youtube 247