Dilma não cede e nega ministérios para o PMDB

Em reunião nesta segunda-feira com líderes peemedebistas das bancadas da Câmara e do Senado, além do vice, Michel Temer, presidente deixou claro que não cederá às pressões do deputado Eduardo Cunha; em compensação deve apoiar o partido em seis estados onde o PT também pretende lançar candidatura própria; objetivo é tentar conter a crise com o principal aliado

Em reunião nesta segunda-feira com líderes peemedebistas das bancadas da Câmara e do Senado, além do vice, Michel Temer, presidente deixou claro que não cederá às pressões do deputado Eduardo Cunha; em compensação deve apoiar o partido em seis estados onde o PT também pretende lançar candidatura própria; objetivo é tentar conter a crise com o principal aliado
Em reunião nesta segunda-feira com líderes peemedebistas das bancadas da Câmara e do Senado, além do vice, Michel Temer, presidente deixou claro que não cederá às pressões do deputado Eduardo Cunha; em compensação deve apoiar o partido em seis estados onde o PT também pretende lançar candidatura própria; objetivo é tentar conter a crise com o principal aliado (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – As reuniões entre líderes do PMDB na Câmara e no Senado e a presidente Dilma Rousseff, nesta segunda-feira 10, não resultaram em mais cargos para o partido na Esplanada dos Ministérios. Dilma não cedeu e deixou claro que não irá ceder às pressões do deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Em compensação, com o objetivo de tentar conter a crise com o principal aliado, a presidente deve apoiar o partido em seis estados, mesmo onde o PT também pretende lançar candidato próprio. Um dos principais pontos da crise entre as legendas são as alianças estaduais para as eleições de outubro.

Alguns dos estados que o PT deve fazer concessões são Maranhão, Paraíba, Rondônia e Tocantins. A cúpula peemedebista deve voltar para uma nova reunião no Palácio do Planalto na próxima quinta-feira, desta vez com a presença do presidente do PT, Rui Falcão.

Nos encontros de hoje, estiveram presentes o ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, o vice-presidente, Michel Temer, os presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Henrique Alves (PMDB-RN), além do líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE). A ideia do Planalto é manter isolamento a Eduardo Cunha.

Abaixo, reportagem da agência Reuters:

PT e PMDB terão nova reunião para discutir alianças regionais, diz Raupp

BRASÍLIA, 10 Mar (Reuters) - Os presidentes do PMDB e do PT, aliados que têm protagonizado um clima tenso nos últimos dias, devem se reunir em breve para discutir alianças regionais para as eleições de outubro, um dos principais ingredientes do mal-estar entre as duas siglas, afirmou nesta segunda-feira o presidente peemedebista, senador Valdir Raupp (RO).

De acordo com Raupp, a nova reunião, que também contará com a presença do ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, ficou acertada após encontro com a presidente Dilma Rousseff na manhã desta segunda-feira.

"Nós vamos possivelmente até quinta-feira marcar mais uma reunião com a cúpula do PMDB e do PT para discutir as alianças regionais, que estão causando nesse momento o maior estresse, o maior problema", disse Raupp a jornalistas.

"Há uma possibilidade de o Partido dos Trabalhadores abrir para discussão mais uns cinco, seis Estados, que ainda não estavam sendo discutidos, para alianças com o PMDB", afirmou, sem dizer quais seriam esses Estados.

As rusgas entre PT e PMDB são antigas, mas têm ficado mais evidentes nos últimos dias. A condução política da reforma ministerial que Dilma tem promovido para acomodar sua base, as alianças regionais e a relação do governo com o Congresso têm sido alvos de reclamações do PMDB, partido do vice-presidente da República, Michel Temer.

O acirramento chegou ao ponto de haver trocas de acusações entre lideranças das duas siglas, envolvendo inclusive o presidente do PT, Rui Falcão, e o líder da bancada peemedebista na Câmara, Eduardo Cunha (RJ), que chegou a propor um rompimento da aliança PT-PMDB.

No âmbito regional, a situação é grave no Rio de Janeiro, onde petistas querem apresentar candidatura própria em vez de apoiar a candidatura do atual vice-governador Luiz Fernando Pezão (PMDB), e no Ceará, Estado onde Dilma tem preferência por apoiar o governador Cid Gomes (Pros) a fazer seu sucessor. O líder da bancada peemedebista no Senado, Eunício Oliveira, no entanto, não abre mão de disputar o governo cearense.

"Não podemos é dinamitar as pontes, as pontes têm que estar sempre intactas para que a gente possa continuar avançando, conversando", disse Raupp a jornalistas, acrescentando que o partido preferencial para a formação de alianças do PMDB é o PT e vice-versa, nos moldes da aliança nacional.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email