Dilma não pode ser afastada só por decisão da Câmara, diz AGU

Advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, disse que a presidente Dilma Rousseff não pode ser afastada temporariamente do cargo durante um processo de impeachment somente por uma decisão da Câmara dos Deputados; ele questiona o dispositivo da lei 1.079, de 1950, que rege o processo de impeachment, que determina o afastamento por 180 dias do presidente caso a Câmara decida que deve ser julgado pelo Senado

Advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, disse que a presidente Dilma Rousseff não pode ser afastada temporariamente do cargo durante um processo de impeachment somente por uma decisão da Câmara dos Deputados; ele questiona o dispositivo da lei 1.079, de 1950, que rege o processo de impeachment, que determina o afastamento por 180 dias do presidente caso a Câmara decida que deve ser julgado pelo Senado
Advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, disse que a presidente Dilma Rousseff não pode ser afastada temporariamente do cargo durante um processo de impeachment somente por uma decisão da Câmara dos Deputados; ele questiona o dispositivo da lei 1.079, de 1950, que rege o processo de impeachment, que determina o afastamento por 180 dias do presidente caso a Câmara decida que deve ser julgado pelo Senado (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Reuters - A presidente Dilma Rousseff não pode ser afastada temporariamente do cargo durante um processo de impeachment somente por uma decisão da Câmara dos Deputados, defendeu nesta sexta-feira o advogado-geral da União, Luís Inácio Adams, após se reunir com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Ricardo Lewandowski.

Adams questiona o dispositivo da lei 1.079, de 1950, que rege o processo de impeachment, que determina o afastamento por 180 dias do presidente caso a Câmara decida que deve ser julgado pelo Senado.

Esse procedimento foi usado no impeachment do ex-presidente Fernando Collor. Adams argumenta que essa lei foi feita sob vigência de outra Constituição que não a de 1988 e que, em 1992, a Carta Magna era recente e não havia maturidade constitucional.

(Reportagem de Maria Carolina Marcello)

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

WhatsApp Facebook Twitter Email