Dilma no Uruguai: “querem continuar com a mais perversa desigualdade”

Ex-presidente Dilma Rousseff criticou nesta sexta-feira, 4, durante evento em Montevidéu, o que considera um processo que visa "reverter" as conquistas sociais no continente latino-americano; "Querem reverter todas as conquistas sociais. Me preocupa muito que este seja um processo que tenha uma característica continental", afirmou, em discurso na "Jornada Continental pela Democracia e contra o Neoliberalismo", organizado por centrais sindicais uruguaias; Dilma disse que há pessoas que querem "continuar com a mais perversa desigualdade" e defendeu os governos de esquerda da região; "Na América Latina, houve ganhos dos trabalhadores mais pobres, apesar de isso não ter acabado com a desigualdade"; presidente vítima de um golpe parlamentar será declarada cidadã ilustre de Montevidéu

Ex-presidente Dilma Rousseff criticou nesta sexta-feira, 4, durante evento em Montevidéu, o que considera um processo que visa "reverter" as conquistas sociais no continente latino-americano; "Querem reverter todas as conquistas sociais. Me preocupa muito que este seja um processo que tenha uma característica continental", afirmou, em discurso na "Jornada Continental pela Democracia e contra o Neoliberalismo", organizado por centrais sindicais uruguaias; Dilma disse que há pessoas que querem "continuar com a mais perversa desigualdade" e defendeu os governos de esquerda da região; "Na América Latina, houve ganhos dos trabalhadores mais pobres, apesar de isso não ter acabado com a desigualdade"; presidente vítima de um golpe parlamentar será declarada cidadã ilustre de Montevidéu
Ex-presidente Dilma Rousseff criticou nesta sexta-feira, 4, durante evento em Montevidéu, o que considera um processo que visa "reverter" as conquistas sociais no continente latino-americano; "Querem reverter todas as conquistas sociais. Me preocupa muito que este seja um processo que tenha uma característica continental", afirmou, em discurso na "Jornada Continental pela Democracia e contra o Neoliberalismo", organizado por centrais sindicais uruguaias; Dilma disse que há pessoas que querem "continuar com a mais perversa desigualdade" e defendeu os governos de esquerda da região; "Na América Latina, houve ganhos dos trabalhadores mais pobres, apesar de isso não ter acabado com a desigualdade"; presidente vítima de um golpe parlamentar será declarada cidadã ilustre de Montevidéu (Foto: Aquiles Lins)

247 - A ex-presidente Dilma Rousseff criticou nesta sexta-feira, 4, durante evento em Montevidéu, Uruguai, o que considera um processo que visa a "reverter" as conquistas sociais no continente latino-americano.

"Querem reverter todas as conquistas sociais. Me preocupa muto que este seja um processo que tenha uma característica continental", afirmou Dilma. Ela está em Mnotevidéu para participar da "Jornada Continental pela Democracia e contra o Neoliberalismo", organizado por centrais sindicais.

Dilma disse que há pessoas nas região que querem "continuar com a mais perversa desigualdade" e defendeu os governos de esquerda da região, assinalando que, na América Latina, "houve ganhos dos trabalhadores mais pobres, apesar de isso não ter acabado com a desigualdade".

A presidente vítima de um golpe parlamentar no Brasil deve se reunir com o vice-presidente da República, Raúl Sendic, de acordo com o programa de sua visita divulgado pela coalizão de esquerda. Além disso, será declarada cidadã ilustre de Montevidéu pelo prefeito Daniel Martínez.

Conheça a TV 247

Mais de Poder

Ao vivo na TV 247 Youtube 247