Edinho: “Temos votos suficientes contra o impeachment”

Ministro Edinho Silva, da Secretaria de Comunicação Social, diz que a saída do PP, PRB e PSD da base aliada do governo no Congresso a poucos dias da votação sobre a admissibilidade do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff não neutraliza a capacidade ofensiva do governo na disputa pelos votos dos deputados; "Foi bom eles terem anunciado na última semana que precede o impeachment? Evidente que não. Tudo isso é ruim. Agora, isso neutraliza a capacidade de reação do governo? Não. Isso neutraliza a capacidade de diálogo do governo? Não. Isso neutraliza a capacidade ofensiva do governo diante da organização parlamentar na Câmara dos deputados? Também não. E mesmo diante desses fatos o balanço hoje é que nós teríamos os votos suficientes", disse

Brasília - O ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Edinho Silva fala sobre a campanha do governo federal de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a dengue, febre chikungunya e zika vírus
Brasília - O ministro da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República, Edinho Silva fala sobre a campanha do governo federal de combate ao mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a dengue, febre chikungunya e zika vírus (Foto: Paulo Emílio)

Felipe Pontes, repórter da Agência Brasil - A saída do PP, PRB e PSD da base aliada do governo no Congresso a poucos dias da votação sobre a admissibilidade do processo de impeachment da presidenta Dilma Rousseff no plenário da Câmara não neutraliza a capacidade ofensiva do governo na disputa pelos votos dos deputados, disse o ministro-chefe da Secretaria de Comunicação, Edinho Silva, em entrevista ao programa Palavras Cruzadas, da TV Brasil.

Edinho reconheceu que o cenário é "ruim", mas disse, durante a entrevista que foi ao ar na noite de ontem (13), que Dilma continua confiante de que sairá vitoriosa no domingo.

"Foi bom eles terem anunciado na última semana que precede o impeachment? Evidente que não. Tudo isso é ruim. Agora, isso neutraliza a capacidade de reação do governo? Não. Isso neutraliza a capacidade de diálogo do governo? Não. Isso neutraliza a capacidade ofensiva do governo diante da organização parlamentar na Câmara dos deputados? Também não. E mesmo diante desses fatos o balanço hoje é que nós teríamos os votos suficientes", disse o ministro.

Edinho também comentou as declarações de Dilma a jornalistas ontem (13), no Palácio do Planalto, quando ela disse que estava confiante em uma vitória no plenário da Câmara e que, caso isso ocorresse, iria propor um pacto nacional. Ao ser questionada sobre se participaria do pacto caso perdesse, a presidenta declarou: "se eu perder, sou carta fora do baralho".

Para Edinho, a declaração teve seu contexto mal explicado, tendo sido proferida em um momento de descontração, após o encerramento da entrevista e que não reflete nenhuma resignação por parte da presidenta em relação a seu afastamento. "Se vocês estivessem lá, vocês entenderiam o contexto. Em todo momento ela se mostrou otimista em vencer o impeachment e ela mostrou mais que isso: a disposição de, no dia seguinte ao impeachment, mostrar uma agenda de união nacional", disse ele.

O Palavras Cruzadas vai ao ar todas as quartas-feiras, às 22h, apresentado pelos jornalistas Paulo Markun e Tereza Cruvinel.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247