Eliane teme hegemonia do PT na política

Colunista Eliane Cantanhêde, da Folha, saca um novo argumento para justificar suas posições contra o PT; o partido não pode ficar forte demais, controlando a presidência da República, com Dilma, e tendo candidatos fortes no "triângulo das Bermudas", com Fernando Pimentel, em Minas, Alexandre Padilha, em São Paulo, e Lindbergh Farias, no Rio de Janeiro; "Antes, ninguém segurava este país. Agora, ninguém segura o PT?", questiona

Colunista Eliane Cantanhêde, da Folha, saca um novo argumento para justificar suas posições contra o PT; o partido não pode ficar forte demais, controlando a presidência da República, com Dilma, e tendo candidatos fortes no "triângulo das Bermudas", com Fernando Pimentel, em Minas, Alexandre Padilha, em São Paulo, e Lindbergh Farias, no Rio de Janeiro; "Antes, ninguém segurava este país. Agora, ninguém segura o PT?", questiona
Colunista Eliane Cantanhêde, da Folha, saca um novo argumento para justificar suas posições contra o PT; o partido não pode ficar forte demais, controlando a presidência da República, com Dilma, e tendo candidatos fortes no "triângulo das Bermudas", com Fernando Pimentel, em Minas, Alexandre Padilha, em São Paulo, e Lindbergh Farias, no Rio de Janeiro; "Antes, ninguém segurava este país. Agora, ninguém segura o PT?", questiona (Foto: Leonardo Attuch)

247 - A jornalista Eliane Cantanhêde, colunista da Folha de S. Paulo, enxerga o risco de que o Partido dos Trabalhadores se torne uma força hegemônica na política brasileira (leia aqui seu artigo "A tentação hegemônica").

Segundo ela, a presidente Dilma Rousseff é favorita à reeleição, podendo levar o PT a um ciclo de 16 anos de poder. Além disso, o tucano Geraldo Alckmin enfrentará dificuldades para se reeleger. "Alckmin não terá vida fácil na campanha, porque pode ter a máquina, a caneta e a exibição de quem concorre no cargo, mas neutraliza parte dessa vantagem com o desgaste natural de quase 20 anos dos tucanos no poder e de sucessivas trombadas: Alstom, Siemens e a onda de violência que assola o país e ganha particular visibilidade em São Paulo", diz ela.

A jornalista vê o PT com chances reais em São Paulo, com Alexandre Padilha, em Minas, com Fernando Pimentel, e no Rio, com Lindbergh Farias. "É assim que o PT entra 2014 com Dilma favorita e o partido a caminho de 16 anos na Presidência; já dominando a principal capital; com reais chances no Estado mais importante; e com candidatos competitivos em Minas e no Rio, fechando o "triângulo das Bermudas" da política nacional".

"Antes, ninguém segurava este país. Agora, ninguém segura o PT?", indaga.

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247