Em ato falho, subprocuradora diz que sentença de caso Lula será 'condenatória'

Dayane Santos, do 247 - Na sessão da Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal (STF), na terça-feira (4) - que por 2 votos a 1, decidiu que Lula poderá acessar todos os dados dos sistemas Drousys e MyWebDay que interessem à defesa, e também retirou a delação do ex-ministro da Fazenda de ação contra Lula - chamou a atenção uma fala da subprocuradora-geral da República Cláudia Sampaio Marques que em uma ato falho em sua sustentação oral evidenciou a conduta parcial da Lava Jato com relação ao ex-presidente Lula.

A subprocuradora tentou desqualificar o recurso apresentado pela defesa de Lula para ter acesso às provas, representada na sessão pelo advogado Cristiano Zanin. Segundo ela, o recurso era uma medida protelatória para adiar "a sentença condenatória", se referindo ao processo sobre o suposto recebimento de um imóvel da Odebrecht para a sede do Instituto Lula, que ainda não teve sentença proferida.

“Há uma estratégia de defesa que está sendo desenvolvida pelo advogado. Ele não quer, na verdade, a prolação da sentença condenatória", disse Claudia Sampaio, acrescentando que "o advogado está lutando bravamente para impedir a sentença".

Zanin rebateu: "O que se busca aqui é o devido processo legal. Sem o devido processo legal teremos sempre o arbítrio. Se vossa excelência acha que a posição da defesa é no sentido de impedir uma decisão 'condenatória', isso é tão grave quanto a afirmação anterior. Porque se já existe essa decisão condenatória preestabelecida e pré-anunciada isso é sinal efetivamente de que não se pode esperar, ao menos da chamada Lava Jato de Curitiba, qualquer tipo de Justiça para o paciente"

Receber notificações do Brasil 247. Inscreva-se.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.