Em meio ao laranjal do PSL, líder do partido propõe fim de fundo eleitoral

Com um ministro demitido e outro ameaçado de perder o cargo pelo PSL por causa supostos envolvimento em candidaturas laranjas, o senador Major Olímpio (SP), líder do partido na Casa, apresentou um projeto de lei para extinguir o fundo especial de financiamento de campanha; "Está cada vez mais clara a falta de critérios na própria lei e ainda a imoralidade de usar recurso público, no caso, R$ 1,750 bilhão [total de recursos do fundo]"

Em meio ao laranjal do PSL, líder do partido propõe fim de fundo eleitoral
Em meio ao laranjal do PSL, líder do partido propõe fim de fundo eleitoral (Foto: Roque de Sá - Ag. Senado)

247 - Com um ministro demitido e outro ameaçada de perder o cargo pelo PSL por causa supostos envolvimento em candidaturas laranjas, o senador Major Olímpio (SP), líder do partido na Casa, apresentou um projeto de lei para extinguir o fundo especial de financiamento de campanha. De acordo com o parlamentar, "o momento está propício" para discutir o tema.

"Nos casos que estão aí manifestos em inúmeros partidos, está cada vez mais clara a falta de critérios na própria lei e ainda a imoralidade de usar recurso público, no caso, R$ 1,750 bilhão [total de recursos do fundo]. A lei é absolutamente aberta, a distribuição é feita ao bel prazer do dirigente partidário", afirmou Olímpio. Os relatos foram publicados no jornal Folha de S.Paulo.

O congressista também disse que o fundo, criado em 2017, retira recursos que seriam destinados a emendas parlamentares, dinheiro usado por deputados e senadores para fazer obras em seus redutos eleitorais. "Ora, não nos parece razoável, nem moral que as verbas que seriam objetos de emendas parlamentares que iriam ter como destinação a educação, segurança pública e a saúde brasileira sejam utilizadas para o financiamento de campanhas eleitorais", afirmou o congressista no projeto.

O fundo eleitoral, como é mais conhecido, foi usado para abastecer as candidaturas sob suspeita. Atualmente, as campanhas políticas são financiadas por recursos deste fundo, do fundo partidário e de doações de pessoas físicas - a doação de empresas foi proibida por lei.

O agora ex-ministro da Secretaria Geral da Presidência da República Gustavo Bebianno foi acusado de autorizar o repasse de R$ 400 mil em verbas do fundo partidário para uma candidata "laranja" em Pernambuco com o suposto apoio de Luciano Bivar, atual presidente da sigla. Também teria liberado R$ 250 mil de verba pública para a campanha de uma ex-assessora Érika Siqueira Santos. Parte do dinheiro foi repassado a uma gráfica registrada em endereço de fachada.  

O atual ministro do Turismo, Marcelo Álvaro, também patrocinou um esquema de candidaturas de fachada em Minas, de acordo com reportagem do jornal Folha de S.paulo.

 

 

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247