Em última sessão de Celso de Mello, STF julga se Bolsonaro pode depor por escrito

Plenário da Suprema Corte iniciou o julgamento do recurso em que Jair Bolsonaro pede para depor por escrito no inquérito que investiga a suposta interferência na Polícia Federal

Celso de Mello, Bolsonaro e Luiz Fux
Celso de Mello, Bolsonaro e Luiz Fux (Foto: STF | Reuters)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 com Reuters - O Supremo Tribunal Federal (STF) iniciou na tarde desta quinta-feira (8) o julgamento do recurso em que Jair Bolsonaro pede para depor por escrito no inquérito que apura se ele tentou interferir politicamente na Polícia Federal. A sessão é a última a contar com a participação do ministro Celso de Mello, que se aposenta no dia 13 de outubro.

Na semana passada, logo após retornar da licença médica, Celso de Mello revogou decisão do colega Marco Aurélio Mello, relator interino do caso, que havia agendado, para a sexta-feira passada, o início de um julgamento pelo plenário virtual sobre o formato do depoimento de Bolsonaro.

A AGU alega que Bolsonaro tem direito a depor por escrito à luz de um precedente do próprio STF que envolveu o então presidente Michel Temer.

A tendência, segundo duas fontes ouvidas pela Reuters, é que o presidente seja autorizado a depor por escrito.

Uma das fontes disse que a expectativa é que se institucionalize essa questão sobre a Presidência da República sem se personificar em Jair Bolsonaro. “Vão julgar uma prerrogativa do cargo, sem levar em consideração o seu ocupante”, disse essa fonte.

A outra fonte observou que poderá ser decidido que cada relator resolve seu respectivo caso. Com isso, por ora poderia ficar presencial se houver uma decisão de Celso de Mello, mas com a mudança do relator em razão da aposentadoria do decano isso mudaria para um depoimento por escrito.

O depoimento do presidente deve ser um dos últimos atos do inquérito aberto em abril para investigar se o presidente tentou interferir na Polícia Federal, conforme declarações feitas na ocasião pelo então ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, que pediu demissão após o fato.

Bolsonaro nega ter cometido irregularidades. Após a conclusão das investigações, caberá ao procurador-geral da República, Augusto Aras, decidir se vai denunciar o presidente, pedir arquivamento da apuração ou ainda novas diligências.

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247