Escárnio: Nardes agora diz que pedaladas não importam mais

Quase nove meses após apontar que as 'pedaladas fiscais' "distorceram a realidade fiscal" e que a responsabilidade da presidente eleita Dilma Rousseff sobre elas seria "direta", o ministro Augusto Nardes, relator das contas de 2015 de Dilma no TCU, diz agora que as pedaladas "não são tão importantes"; "O mais importante é a abertura de crédito", disse Nardes nesta quarta-feira, 29, dois dias depois de perícia do Senado isentar a presidente de responsabilidade nos atrasos em repasses aos bancos públicos

Quase nove meses após apontar que as 'pedaladas fiscais' "distorceram a realidade fiscal" e que a responsabilidade da presidente eleita Dilma Rousseff sobre elas seria "direta", o ministro Augusto Nardes, relator das contas de 2015 de Dilma no TCU, diz agora que as pedaladas "não são tão importantes"; "O mais importante é a abertura de crédito", disse Nardes nesta quarta-feira, 29, dois dias depois de perícia do Senado isentar a presidente de responsabilidade nos atrasos em repasses aos bancos públicos
Quase nove meses após apontar que as 'pedaladas fiscais' "distorceram a realidade fiscal" e que a responsabilidade da presidente eleita Dilma Rousseff sobre elas seria "direta", o ministro Augusto Nardes, relator das contas de 2015 de Dilma no TCU, diz agora que as pedaladas "não são tão importantes"; "O mais importante é a abertura de crédito", disse Nardes nesta quarta-feira, 29, dois dias depois de perícia do Senado isentar a presidente de responsabilidade nos atrasos em repasses aos bancos públicos (Foto: Aquiles Lins)

247 - O ministro Augusto Nardes, que analisou as contas de 2015 da presidente eleita Dilma Rousseff no Tribunal de Contas da União (TCU), afirmou nesta quarta-feira, 29, que as chamadas "pedaladas fiscais" "não são tão importantes".

"O mais importante é a abertura de crédito, ou seja, a Constituição é muito clara: ninguém pode abrir crédito sem autorização do Congresso, sem a Lei Orçamentária ser aprovada pelo Senado e pela Câmara. Houve desrespeito ao Congresso", disse Nardes em entrevista ao Blog do Eliomar, de Fortaleza.

Declaração foi feita dois dias após a perícia técnica do Senado isentar Dilma responsabilidade nos atrasos em repasses a bancos públicos. Sem ligar para a coerência, o ministro Augusto Nardes se contradiz com argumento utilizado ao julgar as contas de Dilma no ano passado, baseado principalmente nas pedaladas. Na ocasião, Nardes havia dito que as pedaladas "distorceram a realidade fiscal" e que a responsabilidade de Dilma nelas é "direta".

Em 7 de outubro de 2015, quando o 2015 julgou e rejeitou as contas da petista referentes a 2014, Nardes explicou que as principais distorções detectadas somam R$ 106 bilhões. Para ele, além das pedaladas, em montante de R$ 40 bilhões, o governo descumpriu, indevidamente, a obrigação de contingenciar R$ 28 bilhões em despesas em 2014.

Conheça a TV 247

Mais de Poder

Ao vivo na TV 247 Youtube 247