Ex-mulher de Gilmar assinou parecer de Temer

A advogada Samantha Ribeiro Meyer-Pflug Marques, ex-mulher do ministro Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral, assinou um parecer usado pela defesa de Michel Temer na ação movida pelo PSDB que pede a cassação da chapa Dilma-Temer na corte presidida por seu ex-cônjuge; o documento defende que as contas da presidente cassada Dilma Rousseff e de Temer devem ser julgadas separadamente pois o então candidato a vice-presidente apresentou uma prestação de contas própria, separada de Dilma; além de Samantha, o parecer é assinado pelo advogado Ives Gandra Martins, amigo pessoal e parceiro de Gilmar em dezenas de livros jurídicos

Brasília - Presidente do TSE, Gilmar Mendes, faz balanço dos trabalhos do tribunal e apresenta dados sobre prestações de contas de campanhas referentes às eleições municipais deste ano (Marcelo Camargo/Agência Brasil)
Brasília - Presidente do TSE, Gilmar Mendes, faz balanço dos trabalhos do tribunal e apresenta dados sobre prestações de contas de campanhas referentes às eleições municipais deste ano (Marcelo Camargo/Agência Brasil) (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A ex-mulher do ministro Gilmar Mendes, presidente do Tribunal Superior Eleitoral,  Samantha Ribeiro Meyer-Pflug Marques, é um dos juristas que assinaram um parecer usado pela defesa de Michel Temer na ação movida pelo PSDB que pede a cassação da chapa Dilma-Temer na corte presidida por seu ex-cônjuge.

O documento defende que as contas da presidente cassada Dilma Rousseff e de Temer devem ser julgadas separadamente pois o então candidato a vice-presidente apresentou uma prestação de contas própria, separada de Dilma.

Além de Samantha, o parecer é assinado pelo advogado Ives Gandra Martins, amigo pessoal e parceiro de Gilmar em dezenas de livros jurídicos.

As informações são de reportagem de Ricardo Galhardo no Estado de S.Paulo

"Mestre e doutora pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) e professora titular de direito constitucional na Uninove, Samantha se casou com Gilmar Mendes no dia 6 de dezembro de 2003. O relacionamento durou cerca de três anos, segundo ela.

Em 2007, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) já estava casado com a também advogada Guiomar Mendes, sua atual mulher. O fato de Guiomar trabalhar no escritório Sérgio Bermudes fez com que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, pedisse a suspeição de Gilmar no processo que investiga a participação do empresário Eike Batista na Lava Jato. Bermudes advoga para Eike em outros casos. No dia 28 de abril, Gilmar concedeu habeas corpus para libertar o empresário que estava preso desde janeiro.

Ao Estado, Samantha disse não ver obstáculo ético ou legal no parecer já que ela não faz parte da banca de advogados que defende Temer na ação do TSE. 'Fui casada com ele há mais de 10 anos. Não mantemos nenhum vínculo. Além disso o parecer não é uma peça jurídica, é acadêmica e foi feita pro bono. Nem atuo como advogada, sou professora.'"

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247