Fachin escolheu plenário para evitar derrota certa no caso Lula

A decisão do ministro Edson Fachin de negar o habeas corpus do ex-presidente Lula foi estrategicamente calculada; ministro do STF remeteu o caso para o plenário da corte, e não para a Segunda Turma, como seria usual; os ministros Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli têm votado contra Fachin e poderiam mudar o entendimento sobre prisão após condenação em segunda instância; no Plenário, boa parte dos ministros só querem discutir o caso de Lula quando ele já estiver preso, caso o TRF-4 confirme a execução da pena, como se espera

A decisão do ministro Edson Fachin de negar o habeas corpus do ex-presidente Lula foi estrategicamente calculada; ministro do STF remeteu o caso para o plenário da corte, e não para a Segunda Turma, como seria usual; os ministros Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli têm votado contra Fachin e poderiam mudar o entendimento sobre prisão após condenação em segunda instância; no Plenário, boa parte dos ministros só querem discutir o caso de Lula quando ele já estiver preso, caso o TRF-4 confirme a execução da pena, como se espera
A decisão do ministro Edson Fachin de negar o habeas corpus do ex-presidente Lula foi estrategicamente calculada; ministro do STF remeteu o caso para o plenário da corte, e não para a Segunda Turma, como seria usual; os ministros Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli têm votado contra Fachin e poderiam mudar o entendimento sobre prisão após condenação em segunda instância; no Plenário, boa parte dos ministros só querem discutir o caso de Lula quando ele já estiver preso, caso o TRF-4 confirme a execução da pena, como se espera (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A decisão do ministro Luiz Edson Fachin de negar o pedido de habeas corpus da defesa do ex-presidente Lula foi estrategicamente calculada. O ministro do Supremo Tribunal Federal negou o pedido, mas remeteu o caso para o plenário da corte, e não para a Segunda Turma do STF, como seria usual. 

Na Segunda Turma, é altamente provável que Lula conseguisse derrubar a decisão de Fachin. Os advogados do ex-presidente haviam pedido a Fachin que, em vez de decidir sozinho, levasse o recurso à discussão na Segunda Turma. Nela, Fachin e a Procuradoria-Geral da República têm acumulado derrotas. Os ministros Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Dias Toffoli têm votado contra Fachin.

Ao remeter o caso ao plenário do Supremo, Fachin remete, também, a discussão de fundo — a execução provisória da pena após condenação na segunda instância. Nessa etapa, Fachin tem uma aliada fundamental: a presidente do Supremo, ministra Cármen Lúcia. Ela não só concorda com a manutenção do atual entendimento do tribunal, pelo qual condenados em segunda instância podem ser presos, como luta para separar qualquer reexame da corte sobre esse assunto do caso específico de Lula.

Inscreva-se na TV 247 e assista ao programa Bom Dia 247 deste sábado 10, com Leonardo Attuch, que comentou o assunto:

 

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247