FHC: Bolsonaro representa tudo o que não gosto

Ainda sem declarar voto em Fernando Haddad, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou, em entrevista ao jornalista Pedro Venceslau, que Jair Bolsonaro representa a negação de todos os seus valores. Ele diz que existe uma porta para o diálogo com Haddad, mas que ainda não está aberta. Em relação à implosão do PSDB e a briga entre João Doria e Geraldo Alckmin, FHC escolhe o lado do ex-governador que ele garante não ser traidor – o que Doria talvez seja

www.brasil247.com - FHC: Bolsonaro representa tudo o que não gosto
FHC: Bolsonaro representa tudo o que não gosto (Foto: REUTERS/Nacho Doce)


247 – No momento em que as forças democráticas precisam se unir em torno de Fernando Haddad para barrar a ascensão do fascismo no Brasil, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, ainda que a contragosto, indica a existência de uma possibilidade de diálogo. "Do meu ponto de vista pessoal, o Bolsonaro representa tudo que não gosto. Só ouvi a voz do Bolsonaro agora. Nunca tinha ouvido", disse ele, em entrevista ao jornalista Pedro Venceslau. "É possível que a maioria dos líderes do PSDB seja pró-Bolsonaro, mas não é o meu caso."

Aparentemente movido por orgulho, FHC ainda não se mostra disposto a apoiar Haddad, mesmo ciente de que negros, gays e opositores do bolsonarismo estão sendo agredidos nas ruas – e também de que a imprensa internacional está escandalizada com o neofascismo brasileiro. "Por que tem de automaticamente apoiar? É discutível. (O PT) Não faz autocrítica nenhuma. As coisas que eles dizem a respeito do meu governo não correspondem às coisas que acho que fiz. Por que tenho que, para evitar o mal maior, apoiar o PT? Acho que temos de evitar o mal maior defendendo democracia, direitos humanos, liberdade, contra o racismo o tempo todo", afirma.

Para apoiar Haddad, FHC parece disposto a cobrar a adesão a seu programa. "Tenho relações pessoais e cordiais com o candidato Haddad, mas o que está em jogo é o que será feito com o Brasil. Minha preocupação não é comigo ou o PSDB, mas com o Brasil. Qual é a linha? Estão pensando que estamos nos anos 60 e 70 ou terá uma linha contemporânea?", questiona. Ainda assim, ele afirma que há uma porta para dialogar com Haddad – ao contrário do que diz respeito a seu adversário. "O Bolsonaro pelas razões políticas está excluído. Um tem um muro, o outro uma porta. Figura por figura, eu me dou com Haddad. Nunca vi o Bolsonaro."

Derrocada do PSDB

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Em relação à implosão do PSDB e a briga entre João Doria e Geraldo Alckmin, FHC escolhe o lado do ex-governador que ele garante não ser traidor – o que Doria talvez seja. "Tenho certeza que Geraldo não é traidor. Não é do estilo dele. A eleição não está resolvida. O Doria ainda tem de disputar para saber qual será o grau de projeção dele. Não estou de acordo em apoiar o Bolsonaro. Não corresponde à minha história e ao meu sentimento."

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE

Cortes 247

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE
WhatsApp Facebook Twitter Email