FHC: governo Temer não poderia ser de nenhum partido

Depois de se reunir nesta tarde com o senador Aécio Neves, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que a decisão do PSDB em ajudar o futuro governo, caso a presidenta Dilma Rousseff seja afastada do cargo, caberá ao futuro presidente e não ao seu partido; "Isso não será um governo do PSDB. A meu ver não deve ser um governo de nenhum partido. Não pode ter a cara de um único partido. Vou chamar assim: emergência nacional. E quem é que vai se negar a ajudar o país em uma emergência?", disse FHC; já Aécio, que tinha dito que o PSDB não indicaria cargos para o governo Temer, agora aceita compor; "Se amanhã, e caberá a Temer se assumir, buscar quadros no PSDB ou em outras forças partidárias, que o faça"

Depois de se reunir nesta tarde com o senador Aécio Neves, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que a decisão do PSDB em ajudar o futuro governo, caso a presidenta Dilma Rousseff seja afastada do cargo, caberá ao futuro presidente e não ao seu partido; "Isso não será um governo do PSDB. A meu ver não deve ser um governo de nenhum partido. Não pode ter a cara de um único partido. Vou chamar assim: emergência nacional. E quem é que vai se negar a ajudar o país em uma emergência?", disse FHC; já Aécio, que tinha dito que o PSDB não indicaria cargos para o governo Temer, agora aceita compor; "Se amanhã, e caberá a Temer se assumir, buscar quadros no PSDB ou em outras forças partidárias, que o faça"
Depois de se reunir nesta tarde com o senador Aécio Neves, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso disse que a decisão do PSDB em ajudar o futuro governo, caso a presidenta Dilma Rousseff seja afastada do cargo, caberá ao futuro presidente e não ao seu partido; "Isso não será um governo do PSDB. A meu ver não deve ser um governo de nenhum partido. Não pode ter a cara de um único partido. Vou chamar assim: emergência nacional. E quem é que vai se negar a ajudar o país em uma emergência?", disse FHC; já Aécio, que tinha dito que o PSDB não indicaria cargos para o governo Temer, agora aceita compor; "Se amanhã, e caberá a Temer se assumir, buscar quadros no PSDB ou em outras forças partidárias, que o faça" (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Elaine Patricia Cruz, da Agência Brasil - Depois de se reunir com o senador e presidente do PSDB, Aécio Neves, na tarde de hoje (28), o ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso disse que a decisão do PSDB em ajudar o futuro governo, caso a presidenta Dilma Rousseff seja afastada do cargo, caberá ao futuro presidente e não ao seu partido.

"A situação de participar do governo depende do presidente, não depende do PSDB. Ele tem que tomar as decisões dele e montar a equipe. Mas o PSDB não deve se negar, o quadro do PSDB não deve se negar. Tem que ver para fazer o que. Isso não será um governo do PSDB. A meu ver não deve ser um governo de nenhum partido. Não pode ter a cara de um único partido. Vou chamar assim: emergência nacional. E quem é que vai se negar a ajudar o país em uma emergência?", disse Fernando Henrique, na porta de sua casa, em Higienópolis, na zona oeste da capital paulista.

Aécio e Fernando Henrique reuniram-se por cerca de 45 minutos hoje para discutir um documento com propostas de mudança do país. Segundo Aécio, este documento será apresentado pelo partido na próxima terça-feira (3). "Vamos apresentar ao Brasil um conjunto de ações emergenciais que não são novas, em grande parte vem do que discutimos com a sociedade brasileira. E vamos dizer: conte com nosso apoio, com nossa base, nossa interlocução com a sociedade, com o apoio do peso do ex-presidente Fernando Henrique. E se amanhã, e caberá a Temer se assumir, buscar quadros no PSDB ou em outras forças partidárias, que o faça", disse Aécio Neves.

Segundo Aécio, seu partido pretende deixar Temer à vontade para fazer a escolha de seu governo. "Conosco o vice-presidente não precisa se preocupar em termos de cargos e que ele fique à vontade para buscar os melhores no país. Dentro e fora dos partidos políticos".

Antes de se encontrar com o governador de São Paulo Geraldo Alckmin, encontro previsto para o final da tarde de hoje no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo, Aécio negou que haja uma falta de diálogo entre ele e Alckmin. "É o contrário. Há uma convergência. É natural que, em um momento como esse, as pessoas discutam, conversem e se entendam. Seria a meu ver incompreensível que em um partido, com os quadros que tem o PSDB, e no momento grave da vida nacional como esse, não estivessem conversando".

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247