FHC muda de ideia e agora quer CPI da Petrobras

Depois de dizer que uma CPI em ano eleitoral não seria boa ideia, ex-presidente Fernando Henrique Cardoso segue a linha do candidato Aécio Neves (PSDB-MG) e passa a defender uma investigação; "Os acontecimentos revelados pela imprensa sobre malfeitos na Petrobras são de tal gravidade que a própria titular da Presidência, arriscando-se a ser tomada como má gestora, preferiu abrir o jogo", afirmou; "embora, antes desse desdobramento eu tivesse declarado que a apuração poderia ser feita por mecanismos do Estado, creio que é o caso de ampliar a apuração", continuou; negócio polêmico feito com a Repsol no governo FHC também pode entrar no pacote

www.brasil247.com - Depois de dizer que uma CPI em ano eleitoral não seria boa ideia, ex-presidente Fernando Henrique Cardoso segue a linha do candidato Aécio Neves (PSDB-MG) e passa a defender uma investigação; "Os acontecimentos revelados pela imprensa sobre malfeitos na Petrobras são de tal gravidade que a própria titular da Presidência, arriscando-se a ser tomada como má gestora, preferiu abrir o jogo", afirmou; "embora, antes desse desdobramento eu tivesse declarado que a apuração poderia ser feita por mecanismos do Estado, creio que é o caso de ampliar a apuração", continuou; negócio polêmico feito com a Repsol no governo FHC também pode entrar no pacote
Depois de dizer que uma CPI em ano eleitoral não seria boa ideia, ex-presidente Fernando Henrique Cardoso segue a linha do candidato Aécio Neves (PSDB-MG) e passa a defender uma investigação; "Os acontecimentos revelados pela imprensa sobre malfeitos na Petrobras são de tal gravidade que a própria titular da Presidência, arriscando-se a ser tomada como má gestora, preferiu abrir o jogo", afirmou; "embora, antes desse desdobramento eu tivesse declarado que a apuração poderia ser feita por mecanismos do Estado, creio que é o caso de ampliar a apuração", continuou; negócio polêmico feito com a Repsol no governo FHC também pode entrar no pacote (Foto: Leonardo Attuch)


247 - Não há mais contradição entre as posições do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e do candidato tucano Aécio Neves, no tocante a uma CPI para investigar a Petrobras. FHC, que antes era contrário à comissão, mudou de ideia. 

"Os acontecimentos revelados pela imprensa sobre malfeitos na Petrobras são de tal gravidade que a própria titular da Presidência, arriscando-se a ser tomada como má gestora, preferiu abrir o jogo e reconhecer que foi dado um mau passo no caso da refinaria de Pasadena", disse FHC, neste domingo.

"Embora, antes desse desdobramento eu tivesse declarado que a apuração poderia ser feita por mecanismos do Estado, creio que é o caso de ampliar a apuração. O presidente do PSDB, senador Aécio Neves, conduzirá o tema, em nome do partido, podendo mesmo requerer, com meu apoio, uma CPMI", afirmou.

Uma eventual CPI sobre a Petrobras poderá atingir também o governo FHC. Em 2001, às vésperas da desvalorização cambial na Argentina, a Petrobras trocou ativos com a espanhola Repsol. Deu 30% de uma refinaria, 10% de um campo de petróleo mais de 700 postos de combustíveis, recebendo uma refinaria na Argentina.

Uma ação judicial, movida por petroleiros gaúchos, que já se encontra no Superior Tribunal de Justiça, alega que a Petrobras entregou US$ 3 bilhões e recebeu cerca de US$ 750 milhões. Então relatora do caso, a ex-ministra Eliana Calmon determinou a realização de uma perícia para apurar os prejuízos da Petrobras na transação conduzida por Henri Reichstul, que presidiu a Petrobras na época de FHC (leia mais aqui).


O conhecimento liberta. Quero ser membro. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Apoie o 247

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email