FHC: se Aécio tivesse ganho, a situação seria a mesma

Entrevistado por Folha, Estadão e O Globo, a pretexto de divulgar o primeiro volume de "Diários da Presidência", o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), diz que se o presidente do seu partido, Aécio Neves, tivesse vencido a eleição, "a situação do país seria mais ou menos a mesma"; "Mas haveria um horizonte de esperança. Agora estamos indo ladeira abaixo e alguém vai ter que pôr um limite. Se fosse capaz de botar o limite, já devia ter posto", pondera; para o tucano, o governo da presidente Dilma Rousseff "está deixando de produzir resultados"; sobre o impeachment, ele afirma que não sabe se há base jurídica para isto

SÃO PAULO, SP, 18.09.2012: PENSE LIVRE/FHC – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso durante o lançamento da Rede Pense Livre – Por uma Política de Drogas que Funcione no auditório do Itaú Cultural em São Paulo. A Rede Pense Livre tem como propósito pro
SÃO PAULO, SP, 18.09.2012: PENSE LIVRE/FHC – O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso durante o lançamento da Rede Pense Livre – Por uma Política de Drogas que Funcione no auditório do Itaú Cultural em São Paulo. A Rede Pense Livre tem como propósito pro (Foto: Valter Lima)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Entrevistado pelos principais jornais impressos do país - Folha, Estadão e O Globo -, a pretexto de divulgar o primeiro volume de "Diários da Presidência", o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), diz que se o presidente do seu partido, Aécio Neves, tivesse vencido a eleição, "a situação do país seria mais ou menos a mesma". Mas pondera: "mas haveria um horizonte de esperança. Agora estamos indo ladeira abaixo e alguém vai ter que pôr um limite. Se fosse capaz de botar o limite, já devia ter posto". Para o tucano, o governo da presidente Dilma Rousseff "está deixando de produzir resultados".

Questionado sobre a possibilidade de impeachment, ele afirma que não sabe se há base jurídica para isto. "Estamos tapando o sol com a peneira. Está tudo tão errado, que não é questão de impeachment ou não. Houve dinheiro discutível na campanha, e isso já é razão para muita coisa. Se juridicamente tem razão ou não (para afastar a presidente), não é isso que vai comandar o processo. É uma questão política e econômica", avaliou. Ele ressalta que "não trabalha para isso", mas que vê o hoje vice-presidente Michel Temer (PMDB) com mais condições de reunir apoio do que Dilma. "O Michel teria a sensibilidade para ter um apoio mais amplo", diz.

Sobre a atuação do PSDB no Congresso, FHC avalia critica o partido. "Em certas matérias, a oposição precisa pensar o país. Não pode votar contra o fator previdenciário. Acho um erro do PSDB no Congresso. A situação fiscal é dramática e alguma coisa precisa ser feita. Eles (PT e PSDB) estão em uma competição, no calor da batalha. Mas não pode erar estrategicamente", diz.

Em relação a Eduardo Cunha, o ex-presidente afirma que o PSDB "deve pedir o afastamento dele". "Se você tiver uma pessoa sobre a qual pesem menos dúvidas no exercício da Câmara, você tem mais jogo político a fazer e um processo mais legítimo. Ele (Cunha) está a um passo de virar réu", ressalta.

 

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email