Filhos de Bolsonaro criaram grupo de WhatsApp para atacar jornalista Patrícia Campos Mello

Jornalista David Nemer, do The Intercept, relata a "máquina de ódio" que funcionou a pleno vapor contra a jornalista da Folha nesta semana e revela que "alguns desses grupos, que trabalharam incansavelmente na distribuição de memes e ataques, têm dois donos bem conhecidos: Flávio e Eduardo Bolsonaro. Sim, senador e o deputado federal filhos do presidente da república"

Patricia Campos Mello, Eduardo e Flávio Bolsonaro
Patricia Campos Mello, Eduardo e Flávio Bolsonaro (Foto: Divulgação)

Por David Nemer, do The Intercept - Eu acompanho grupos bolsonaristas no WhatsApp desde 2018. Já contei que, após a eleição, eles se tornaram mais radicais. Nesta semana, vi essa máquina de ódio funcionando a pleno vapor contra a jornalista Patricia Campos Mello, atacada após o depoimento do empresário Hans River na CPMI das Fake News. Alguns desses grupos, que trabalharam incansavelmente na distribuição de memes e ataques, têm dois donos bem conhecidos: Flávio e Eduardo Bolsonaro. Sim, senador e o deputado federal filhos do presidente da república.

Os números dos celulares ligados aos dois administram pelo menos 20 dos grupos que eu monitoro. Juntos, eles permitem a distribuição de conteúdo de extrema direita para pelo menos 5 mil pessoas – são 250 em cada grupo. Nesta semana, circularam por lá memes misóginos e montagens que insinuam que a jornalista estaria se prostituindo para conseguir informações – desdobramentos da narrativa plantada na CPMI.

Leia a íntegra da reportagem no The Intercept Brasil.

Brasil 247 lança concurso de contos sobre a quarentena do coronavírus. Participe do concurso

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247