Gabinete do ódio em alerta vermelho em meio à repercussão de vídeo: ninguém pisca

"Silêncio total neste momento", destacam fontes próximas de Jair Bolsonaro. Dizem que ninguém ousa sugerir alguma tirada genial para lidar com essa crise do vídeo da reunião ministerial

Sérgio Moro, Carlos Bolsonaro e Jair Bolsonaro
Sérgio Moro, Carlos Bolsonaro e Jair Bolsonaro (Foto: REUTERS/Ueslei Marcelino | Reprodução)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - A repercussão do conteúdo do vídeo da reunião ministerial do dia 22 de abril e o resultado da pesquisa da CNI apontando queda na popularidade, deixaram o chamado "gabinete do ódio" em alerta vermelho nesta terça-feira (12).

De acordo com reportagem da coluna Radar, da revista Veja, "no faroeste dos grupos de WhatsApp do gabinete do ódio, silêncio total neste momento".

Segundo fontes da coluna, ninguém ousa sugerir alguma tirada genial para lidar com essa crise do vídeo da reunião ministerial que foi entregue ao Supremo para apurar as acusações feitas pelo ex-ministro Sergio Moro de interferência na Polícia Federal.

"Será o próprio presidente o responsável por liderar a estratégia de reação do governo na crise. Fortes emoções!", destaca a coluna.
 

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247