Gilmar acredita ter sido gravado por Joesley

O ministro do STF Gilmar Mendes acredita que também foi gravado pelo empresário Joesley Batista, da JBS; os dois se encontraram em Brasília em 1o de abril e, segundo Gilmar, se limitaram a discutir um processo de interesse do setor do agronegócio que seria julgado pelo plenário do STF 

O ministro do STF Gilmar Mendes acredita que também foi gravado pelo empresário Joesley Batista, da JBS; os dois se encontraram em Brasília em 1o de abril e, segundo Gilmar, se limitaram a discutir um processo de interesse do setor do agronegócio que seria julgado pelo plenário do STF 
O ministro do STF Gilmar Mendes acredita que também foi gravado pelo empresário Joesley Batista, da JBS; os dois se encontraram em Brasília em 1o de abril e, segundo Gilmar, se limitaram a discutir um processo de interesse do setor do agronegócio que seria julgado pelo plenário do STF  (Foto: Charles Nisz)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), está convencido de ter sido gravado pelo empresário Joesley Batista, da JBS. Gilmar o encontrou em 1º de abril na sede do IDP, escola de direito da qual o ministro é sócio. Solicitado por Joesley, o encontro ocorreu três semanas após o empresário ter gravado Michel Temer.

Em uma gravação divulgada na semana passada, o dono da JBS falam da possibilidade de incluir informações sobre ministros do STF na delação. Gilmar diz que os delatores pretendiam atingir o tribunal e acredita que o encontro foi gravado. Gilmar comenta a frase de Joesley sobre "destruir o Supremo".

O ministro se mostra despreocupado do áudio vir a público pois a conversa foi "normal". Segundo Gilmar, ele e Joesley se limitaram a discutir um processo de interesse do setor do agronegócio que seria julgado dias depois pelo plenário do STF – o ministro lembra que votou contra os interesses da empresa.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247