Lava Jato quer fechar PT com multa de R$ 200 mi

Procuradores defenderão a tese de que os recursos arrecadados oficialmente pelo ex-tesoureiro João Vaccari, no chamado caixa 1, são "propina" e tentarão transformar a legenda em lavanderia de recursos ilícitos; o passo seguinte, segundo antecipa Folha de S. Paulo, será a aplicação de uma multa de R$ 200 milhões, equivalente ao valor citado por Pedro Barusco, ex-gerente da Petrobras, em suas delações premiadas; nesse cenário, o Partido dos Trabalhadores, que já renunciou às doações de empresas, ficaria, também, sem acesso ao fundo partidário e sem qualquer oxigênio para disputar futuras eleições; na prática, seria o banimento de um partido político por uma ação judicial de primeira instância

Lava Jato quer fechar PT com multa de R$ 200 mi
Lava Jato quer fechar PT com multa de R$ 200 mi
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), que em uma das últimas sessões da CPI da Petrobras previu o futuro do ex-tesoureiro petista João Vaccari Neto com a célebre frase "O senhor tem tudo para ser preso e o PT também tem tudo para ser extinto", talvez tenha razão. E não apenas no primeiro caso.

Reportagem desta segunda-feira antecipa qual será o desfecho da Lava Jato, operação conduzida pelo juiz Sergio Moro no Paraná e que parece ter, como objetivo maior, a destruição do Partido dos Trabalhadores.

Segundo o texto de Andréia Sadi e Marina Dias (leia aqui), o passo final dos procuradores que estão à frente da Lava Jato será a imposição de uma multa de R$ 200 milhões ao partido, valor equivalente ao valor citado por Pedro Barusco, em suas delações premiadas.

A estratégica consiste em criminalizar o partido, classificando todas as suas doações, levantadas pelo ex-tesoureiro João Vaccari Neto, preso há uma semana, pelo chamado "caixa 1", como fruto de "propina".

Em seguida, o partido receberia a multa, que confiscaria até os recursos do fundo partidário, que, desde a semana passada, será a única fonte de receita da legenda – uma resolução anunciada pelo presidente Rui Falcão indica que o partido renunciou a futuras doações privadas, antecipando-se à reforma política.

Sem recursos mínimos, o partido, que, além do governo federal, tem cinco governos estaduais e mais de 700 prefeituras, não teria oxigênio nem para sobreviver, nem para disputar futuras eleições.

Na prática, com a Lava Jato, uma iniciativa judicial de primeira instância, seria colocado na clandestinidade, como previu Carlos Sampaio.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247