Lula avisa: não se deve brincar com a democracia

Em entrevista coletiva a jornalistas de veículos estrangeiros, nesta segunda-feira 28, o ex-presidente Lula reforçou que "impeachment sem base legal, sem crime de responsabilidade, é golpe" e que "é muito importante não brincar com a democracia"; sobre a Lava Jato, afirmou que a divulgação de conversas suas, com autorização do juiz Sérgio Moro, foi "deprimente", "pobre" e de "má fé", e criticou o que chamou de "Big Brother" nos métodos investigativos da operação; para o ex-presidente, "Moro é inteligente e competente, mas foi picado pela mosca azul"; quanto ao PMDB, Lula avalia que é possível a presidente Dilma governar com apoio de parte da legenda, mas sem concordância do comando da sigla

Em entrevista coletiva a jornalistas de veículos estrangeiros, nesta segunda-feira 28, o ex-presidente Lula reforçou que "impeachment sem base legal, sem crime de responsabilidade, é golpe" e que "é muito importante não brincar com a democracia"; sobre a Lava Jato, afirmou que a divulgação de conversas suas, com autorização do juiz Sérgio Moro, foi "deprimente", "pobre" e de "má fé", e criticou o que chamou de "Big Brother" nos métodos investigativos da operação; para o ex-presidente, "Moro é inteligente e competente, mas foi picado pela mosca azul"; quanto ao PMDB, Lula avalia que é possível a presidente Dilma governar com apoio de parte da legenda, mas sem concordância do comando da sigla
Em entrevista coletiva a jornalistas de veículos estrangeiros, nesta segunda-feira 28, o ex-presidente Lula reforçou que "impeachment sem base legal, sem crime de responsabilidade, é golpe" e que "é muito importante não brincar com a democracia"; sobre a Lava Jato, afirmou que a divulgação de conversas suas, com autorização do juiz Sérgio Moro, foi "deprimente", "pobre" e de "má fé", e criticou o que chamou de "Big Brother" nos métodos investigativos da operação; para o ex-presidente, "Moro é inteligente e competente, mas foi picado pela mosca azul"; quanto ao PMDB, Lula avalia que é possível a presidente Dilma governar com apoio de parte da legenda, mas sem concordância do comando da sigla (Foto: Paulo Emílio)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 – O ex-presidente Lula criticou o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff e alertou que “não se deve brincar com a democracia” durante entrevista coletiva concedida em São Paulo a 24 correspondentes de veículos estrangeiros, como The New York Times, El País e de agências como a AP, Reuters, Efe e France Presse.

Sobre a Lava Jato, Lula afirmou que a divulgação de conversas suas, com autorização do juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos em primeira instância, foi “deprimente”, “pobre” e de “má fé”, e criticou o que chamou de “Big Brother” nos métodos investigativos da operação.

Pra o ex-presidente, “Moro é inteligente e competente, mas foi picado pela mosca azul”.  Lula disse que “não está longe” o dia em que irão lhe pedir desculpas pelas acusações que fazem hoje. Ao comentar a possível saída do PMDB da base do governo, Lula avalia que é possível a presidente Dilma governar com parte do PMDB e sem concordância do comando do partido.

Confira mais detalhes na reportagem da Reuters:

Lula quer participar de decisões do governo e defende desonerações para retomar crescimento

SÃO PAULO (Reuters) - O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou nesta segunda-feira que o governo precisa fazer desonerações e adotar outras medidas para que a economia possa voltar a crescer, numa aposta no potencial do mercado interno do país.

Lula, que ainda não pode assumir a Casa Civil devido a uma batalha judicial, disse em entrevista a correspondentes estrangeiros, em São Paulo, que quer participar das decisões do governo da presidente Dilma Rousseff, mesmo que seja na condição de conselheiro.

O ex-presidente disse ter convicção de que pode contribuir com o Brasil e acredita ser possível mudar o humor do país em poucos meses.

Lula voltou a defender Dilma e disparou contra os apoiadores do impeachment da presidente. "Impeachment sem base legal, sem crime de responsabilidade, é golpe", disse Lula aos correspondentes. "É muito importante não brincar com a democracia."

Dilma é alvo de pedido de abertura de processo de impeachment que tramita na Câmara dos Deputados e que tem como base as manobras fiscais conhecidas como "pedaladas". Os críticos do pedido de impedimento alegam que isso não é o bastante para configurar crime de responsabilidade.

Lula acusou a oposição a Dilma de impedir que a presidente governe e a mídia de criar um clima de ódio no país, que ele comparou com a situação vivida na Venezuela.

O ex-presidente, que teve conversas interceptadas pela Polícia Federal em meio às investigações da Lava Jato e divulgadas pela Justiça, criticou o que chamou de "Big Brother" nos métodos investigativos da operação e defendeu as ações tomadas durante seu mandato, entre 2003 e 2010, para fortalecer a Polícia Federal e a liberdade de investigação.

Na véspera da reunião do diretório nacional do PMDB que discutirá se o partido desembarca ou não do governo, Lula disse ver com "certa tristeza" a possibilidades de os peemedebistas abandonarem o governo. Para ele, no entanto, ainda é possível um acordo que mantenha a legenda, a maior da base de apoio a Dilma, alinhada ao Palácio do Planalto.

Investigado pela Lava Jato, que apura um bilionário esquema de corrupção na Petrobras, Lula foi alvo da 24ª fase da operação e obrigado a prestar depoimento à Polícia Federal após o juiz federal Sérgio Moro emitir mandado de condução coercitiva contra o ex-presidente.

O ex-presidente é investigado por suspeitas envolvendo imóveis com ligações com empreiteiras que estão na mira da Lava Jato. O ex-presidente rejeita as acusações e nega irregularidades.

Lula tomou posse como ministro-chefe da Casa Civil no dia 17, mas até agora não conseguiu assumir em meio a uma enxurrada de ações espalhadas por diversos tribunais do país.

No Supremo Tribunal Federal (STF), o ministro Gilmar Mendes concedeu liminar suspendendo a posse um dia depois da cerimônia no Palácio do Planalto. O governo e a defesa de Lula recorreram. A questão ainda tem que ser analisada pelo plenário do Supremo.

(Reportagem de Caroline Stauffer)

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247