Lula diz que não sairá das ruas se Dilma for derrotada

Ex-presidente Lula teria dito a aliados que, em caso de derrota de Dilma Rousseff no processo de impeachment, entrará em campanha permanente e não sairá mais das ruas; ele indicara ainda que não pretende dar trégua a um eventual governo de Michel Temer: "não estaremos nessa de união nacional. Não vamos colaborar"; ele teria orientado ainda seu núcleo mais próximo a, caso o governo seja derrotado, manter a base social do PT mobilizada contra o que chama de "governo ilegítimo"

Ex-presidente Lula teria dito a aliados que, em caso de derrota de Dilma Rousseff no processo de impeachment, entrará em campanha permanente e não sairá mais das ruas; ele indicara ainda que não pretende dar trégua a um eventual governo de Michel Temer: "não estaremos nessa de união nacional. Não vamos colaborar"; ele teria orientado ainda seu núcleo mais próximo a, caso o governo seja derrotado, manter a base social do PT mobilizada contra o que chama de "governo ilegítimo"
Ex-presidente Lula teria dito a aliados que, em caso de derrota de Dilma Rousseff no processo de impeachment, entrará em campanha permanente e não sairá mais das ruas; ele indicara ainda que não pretende dar trégua a um eventual governo de Michel Temer: "não estaremos nessa de união nacional. Não vamos colaborar"; ele teria orientado ainda seu núcleo mais próximo a, caso o governo seja derrotado, manter a base social do PT mobilizada contra o que chama de "governo ilegítimo" (Foto: Roberta Namour)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O ex-presidente Lula teria dito a aliados que, em caso de derrota de Dilma Rousseff no processo de impeachment, entrará em campanha permanente e não sairá mais das ruas. Ele indicara ainda que não pretende dar trégua a um eventual governo de Michel Temer.

Segundo reportagem de Daniela Lima e Marina Dias, o recado de Lula foi claro: "não estaremos nessa de união nacional. Não vamos colaborar". Lula teria orientado ainda seu núcleo mais próximo a, caso o governo seja derrotado, manter a base social do PT mobilizada contra o que chama de "governo ilegítimo".

Paulo Frateschi, ex-secretário de relações governamentais do prefeito Fernando Haddad (PT-SP), vai assumir a agenda do ex-presidente (leia aqui).

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email