Maia critica aumento do rombo fiscal pelo governo

presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a criticar neste sábado, 29, a possibilidade do governo rever a meta fiscal deste, admitindo um déficit ainda maior que os R$ 139 bilhões; "A minha posição é que a meta fiscal fique onde está. Não é correto gerar mais [R$] 30, 40, 50 bilhões de gastos para a população pagar", escreveu Maia em mensagem postada nas redes sociais; crítica ocorre a poucos dias da votação de denúncia por corrupção passiva contra Temer 

presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a criticar neste sábado, 29, a possibilidade do governo rever a meta fiscal deste, admitindo um déficit ainda maior que os R$ 139 bilhões; "A minha posição é que a meta fiscal fique onde está. Não é correto gerar mais [R$] 30, 40, 50 bilhões de gastos para a população pagar", escreveu Maia em mensagem postada nas redes sociais; crítica ocorre a poucos dias da votação de denúncia por corrupção passiva contra Temer 
presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a criticar neste sábado, 29, a possibilidade do governo rever a meta fiscal deste, admitindo um déficit ainda maior que os R$ 139 bilhões; "A minha posição é que a meta fiscal fique onde está. Não é correto gerar mais [R$] 30, 40, 50 bilhões de gastos para a população pagar", escreveu Maia em mensagem postada nas redes sociais; crítica ocorre a poucos dias da votação de denúncia por corrupção passiva contra Temer  (Foto: Aquiles Lins)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a criticar neste sábado, 29, a possibilidade do governo rever a meta fiscal deste, admitindo um déficit ainda maior que os R$ 139 bilhões. 

"A minha posição é que a meta fiscal fique onde está. Não é correto gerar mais [R$] 30, 40, 50 bilhões de gastos para a população pagar", escreveu Maia em mensagem postada nas redes sociais. A alteração da meta depende de aprovação do Congresso Nacional.

Tanto o Palácio do Planalto quanto os ministérios da Fazenda e do Planejamento já admitem que o valor pode ser revisto em agosto, como mostrou a Folha. Se o quadro de deterioração fiscal se mantiver ao longo das próximas semanas, o governo deverá rever o tamanho do deficit até 31 de agosto –data-limite para a apresentação do projeto de lei orçamentária do ano que vem.

"Se nós não temos condição de cumprir a meta, que se construa (sic) as soluções, mas não aumentando os gastos", escreveu Maia. "Todo mundo tem o seu orçamento e precisa viver dentro do seu orçamento. A União, os Estados e municípios também."

Aumento no tom das críticas por rodrigo Maia acontece a poucos dias da votação da denúncia de corrupção passiva feita contra Michel Temer. Se a Câmara autorizar –são necessários ao menos 342 votos–, o STF (Supremo Tribunal Federal) então analisa a acusação. Se aceita, o presidente se torna réu, é afastado por 180 dias, e Maia assume o Planalto.

As informações são da Folha de S. Paulo

O conhecimento liberta. Saiba mais

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247