Maia fala em 'baixar temperatura' da crise política

Lideranças do centrão decidiram, durante um jantar com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a necessidade de "baixar a temperatura" da crise política. O objetivo, segundo Maia, é jogar água na fervura e aprovar projetos considerados fundamentais pelo governo, como a reforma da Previdência; nas últimas semanas Maia vinha subindo o tom das críticas e chegou a afirmar que o governo não possui nenhum projeto para o país, além da reforma da Previdência

Maia fala em 'baixar temperatura' da crise política
Maia fala em 'baixar temperatura' da crise política (Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Lideranças do centrão decidiram, durante um jantar com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a necessidade de "baixar a temperatura" da crise política. O objetivo, segundo Maia, é jogar água na fervura e aprovar projetos considerados fundamentais pelo governo, como a reforma da Previdência.

No jantar, realizado neste domingo (24), Maia teria dito que a responsabilidade de conseguir votos para aprovar a reforma não é de sua competência, mas "um trabalho dos líderes do governo". "Maia não tem essa responsabilidade institucional", ressaltou um interlocutor ouvido pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Durante o encontro, foi colocado que uma eventual retaliação ao governo, com a aprovação de um projeto que anularia o decreto do presidente Jair Bolsonaro que isentou viajantes de diversos países, os Estados Unidos entre eles, da necessidade de visto para ingressar no país, elevaria a tensão política. Maia teria sugerido que esta ideia fosse deixada de lado, mas a possibilidade de que isso venha acontecer ainda não completamente descartada.

Nas últimas semanas Maia vinha subindo o tom das críticas e chegou a afirmar que o governo não possui nenhum projeto para o país, além da reforma da Previdência. Ele também disse que Bolsonaro deve deixar o Twitter de lado e se empenhar em governar.

 

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

WhatsApp Facebook Twitter Email