Marcelo Odebrecht depõe hoje e pode decretar cassação de Temer

Peça central no processo de cassação da chapa Dilma-Temer, Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empreiteira que leva o nome da família, depõe sobre o assunto nesta quarta-feira em Curitiba; basta Marcelo Odebrecht dizer que doações da construtora na campanha de 2014 foram propina para fundamentar o pedido de cassação de Temer; em delação premiada, Cláudio Melo Filho, ex-executivo da construtora, relatou que Temer havia negociado "direta e pessoalmente" com Marcelo Odebrecht, numa reunião no Palácio do Jaburu, em maio de 2014

Marcelo Odebrecht
Marcelo Odebrecht (Foto: Giuliana Miranda)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Peça central no processo de cassação da chapa Dilma-Temer, Marcelo Odebrecht, ex-presidente da empreiteira que leva o nome da família, depõe sobre o assunto nesta quarta-feira em Curitiba. Basta Marcelo Odebrecht dizer que doações da construtora na campanha de 2014 foram propina para fundamentar o pedido de cassação de Temer.

As informações são de reportagem de Eduardo Barretto em O Globo.

"Até a próxima semana, o ministro Herman Benjamin, relator do processo no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), vai ouvir outros quatro executivos da Odebrecht sobre fatos já abordados em delações premiadas na Lava-Jato, que já foram homologadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF), mas ainda estão sob sigilo.

O núcleo do governo Michel Temer foi citado em colaboração premiada de Cláudio Melo Filho, ex-executivo da construtora. Melo Filho relatou que Temer havia negociado "direta e pessoalmente" com Marcelo Odebrecht, numa reunião no Palácio do Jaburu, em maio de 2014, dois meses depois do começo da Lava-Jato. Entre os peemedebistas no núcleo do governo, também foram citados o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, o ministro da Secretaria-Geral, Moreira Franco, e o presidente do Senado, Renan Calheiros.

Enquanto os advogados do PT trabalham na linha de que não houve irregularidades na campanha de 2014 ao Planalto, a defesa do PMDB insiste na tese de separação das contas da presidente e do vice-presidente, o que poderia livrar Temer de uma condenação eleitoral. Nos próximos dias, estão agendados ainda outros quatro depoimentos de executivos da Odebrecht. Amanhã, será a vez de Benedicto Barbosa da Silva Junior e Fernando Reis, no Rio. Na próxima segunda-feira, Cláudio Melo Filho e Alexandrino de Salles Ramos serão ouvidos em Brasília. Os depoimentos serão mantidos em sigilo."

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247