Marco Aurélio indica ser a favor de PF fazer delações premiadas

Relator de uma ação apresentada pela Procuradoria-Geral da República no STF, o ministro Marco Aurélio Mello se diz favorável à permissão para que a Polícia Federal possa firmar acordos de delação premiada; “Toda concentração é perniciosa, é ruim”, afirmou à Reuters o ministro do Supremo; para a PGR, delações firmadas pela PF são inconstitucionais

Marco Aurélio Mello
Marco Aurélio Mello (Foto: Charles Nisz)

Reuters - O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), indicou nesta segunda-feira que vai se manifestar a favor da possibilidade de a Polícia Federal poder firmar acordos de delação premiada. 

Marco Aurélio relata uma ação, apresentada em maio do ano passado pela Procuradoria-Geral da República, em que pede ao STF que considere inconstitucional a previsão da lei 12.850, sobre organizações criminosas, que definiu, entre outros pontos, a colaboração premiada como um dos meios de obtenção de prova a ser usado pela polícia.

“Toda concentração é perniciosa, é ruim”, afirmou à Reuters o ministro do Supremo. Para ele, há uma queda de braço entre o Ministério Público e a polícia que não potencializam o objetivo do uso da colaboração premiada, mas sim apenas assegurar o “monopólio da investigação”.

O ministro do STF afirmou já ter se manifestado publicamente a favor do uso das delações como meio de obtenção de prova, tese que vem sendo adotada pela PF. Segundo ele, isso significa que as colaborações devem ser tratados como depoimentos e que a eventual concessão de benefícios penais a delatores só deverá ser feita a partir de uma avaliação dos desdobramentos das informações apresentadas por eles.

Marco Aurélio disse que já concluiu seu voto a respeito da ação e que no momento passa por uma revisão. Afirmou que pretende concluir a instrução do processo esta semana e que caberá à presidente do STF, Cármen Lúcia, avaliar se inclui o caso na pauta do plenário do mês de novembro. Observou, no entanto, que não é do feitio dele pedir que o presidente do Supremo inclua seus processos na pauta.

No início de agosto, reportagem da Reuters mostrou que a discussão desse processo coloca em lados opostos as duas principais forças no combate à corrupção no país, o MPF e a PF.

Conforme as alegações do ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot, o fato de o MP ser o titular da ação penal garante a ele sozinho poderes para oferecer benefícios a um colaborador ou a um réu -e que essa competência não poderia ser dividida com a polícia.

O impasse tem atrasado a homologação das delações dos publicitários Duda Mendonça e Marcos Valério, feitas pela PF e que aguardam uma definição do STF para serem homologadas por envolverem autoridades com foro privilegiado. As duas propostas de colaboração foram recusadas inicialmente pelo Ministério Público.

Ao vivo na TV 247 Youtube 247