Militares apoiaram e articularam nota golpista de general Heleno contra STF

247 - O ministro da Defesa, general Fernando Azevedo e Silva, disse à CNN que as Forças Armadas concordaram com a nota golpista enviada pelo ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), o general Augusto Heleno. 

Em comunicado, o general classificou como "inconcebível e, até certo ponto, inacreditável" o pedido do decano do Supremo Tribunal Federal (STF), Celso de Mello, de apreender os celulares de Jair Bolsonaro e Carlos Bolsonaro. A nota do ministro Heleno ainda enviou um "alerta" de que a apreensão dos celulares "poderá ter consequências imprevisíveis para a estabilidade nacional", em uma clara ameaça à democracia e às instituições.

"O MD [Ministério da Defesa] teve conhecimento que o Gen. Heleno iria soltar a nota e concordou com a emissão, tendo em vista que o celular do PR [presidente da República] é um assunto de segurança institucional", disse Azevedo e Silva em mensagem à coluna de Caio Junqueira na CNN.

"A simples ilação da apreensão do celular do Presidente da República, na visão dele, é absurda. Afronta a segurança institucional. MD está extremamente preocupado com a tensão entre os poderes", acrescentou o ministro.

Grupo Agir

Além disso, segundo a Época, o golpismo do general “corresponde ao tom esperado por uma ala de militares da reserva, conhecidos como grupo ‘Agir’”. A Época ainda acrescenta que: “duas semanas atrás, três representantes desse núcleo - liderados pelo coronel Aristomendes Rosa Barroso Magno - encontraram o próprio Bolsonaro, pouco antes de seu pronunciamento em rede nacional naquela mesma noite”.

A matéria dá conta que na reunião os militares disseram a Bolsonaro que estavam decepcionados com setores militares que têm agido de forma “moderada” diante da escalada da crise. O grupo Agir é composto por 100 generais e coronéis da mesma turma do ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva.

Receber notificações do Brasil 247. Inscreva-se.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Leia também:

Governo vai exonerar presidente do BNB indicado pelo Centrão

Alexandre Borges Cabral é alvo de uma apuração conduzida pelo Tribunal de Contas da União (TCU) sobre suspeitas de irregularidades...

Bolsonaro diz que não tem responsabilidade sobre nomeações em cargos indicados pelo centrão

"Admite um cara na ponta de não sei aonde, o cara é filiado não sei ao quê. O pessoal me critica. Sou responsável por 30 mil servidores...

Kim, Joice, Freixo, Molon e Tabata criam grupo de oposição a Bolsonaro no WhatsApp

De acordo com membros do grupo, ação foi reflexo da necessidade de se contrapor à ameaça de que seja instalada novamente uma ditadura...