Ministro do STF retira crítica à defesa de Lula

Ministro do Supremo Teori Zavascki reconheceu que usou uma expressão "inadequada" em uma decisão envolvendo o ex-presidente, na semana passada; ao rejeitar um recurso dos advogados de Lula, o ministro classificou o recurso como tentativa para "embaraçar as investigações" da Operação Lava Jato; "Ante o exposto, reconsidero, em parte a decisão agravada, a fim de dela suprimir a parte final", decidiu Teori

Ministro do Supremo Teori Zavascki reconheceu que usou uma expressão "inadequada" em uma decisão envolvendo o ex-presidente, na semana passada; ao rejeitar um recurso dos advogados de Lula, o ministro classificou o recurso como tentativa para "embaraçar as investigações" da Operação Lava Jato; "Ante o exposto, reconsidero, em parte a decisão agravada, a fim de dela suprimir a parte final", decidiu Teori
Ministro do Supremo Teori Zavascki reconheceu que usou uma expressão "inadequada" em uma decisão envolvendo o ex-presidente, na semana passada; ao rejeitar um recurso dos advogados de Lula, o ministro classificou o recurso como tentativa para "embaraçar as investigações" da Operação Lava Jato; "Ante o exposto, reconsidero, em parte a decisão agravada, a fim de dela suprimir a parte final", decidiu Teori (Foto: Ana Pupulin)

André Richter - Repórter da Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki reconheceu hoje (14) que usou uma expressão "inadequada" em uma decisão envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na semana passada. Ao rejeitar um recurso dos advogados de Lula, o ministro classificou o recurso como tentativa para "embaraçar as investigações" da Operação Lava Jato.

"É de se reconhecer ter sido inadequada, nas circunstâncias do caso e no que possa ser interpretada como pejorativa ao agravante, a expressão utilizada na parte final do referido item, qualificando certos fundamentos da reclamação como tentativas da defesa de embaraçar as apurações", disse Teori. "Ante o exposto, reconsidero, em parte a decisão agravada, a fim de dela suprimir a parte final", decidiu o ministro.

Apesar de retirar o termo, Zavascki manteve sua decisão, que rejeitou pedido feito pela defesa de Lula para que investigações estão nas mãos do juiz federal Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná, fossem suspensas e remetidas ao Supremo.

No pedido, a defesa de Lula questionou a competência de Moro para conduzir três inquéritos contra o ex-presidente no âmbito da Lava Jato, alegando que os mesmos fatos apurados já são investigados pelo STF em outro inquérito que envolve pessoas com foro privilegiado.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247