Ministro do STF retira crítica à defesa de Lula

Ministro do Supremo Teori Zavascki reconheceu que usou uma expressão "inadequada" em uma decisão envolvendo o ex-presidente, na semana passada; ao rejeitar um recurso dos advogados de Lula, o ministro classificou o recurso como tentativa para "embaraçar as investigações" da Operação Lava Jato; "Ante o exposto, reconsidero, em parte a decisão agravada, a fim de dela suprimir a parte final", decidiu Teori

Ministro do Supremo Teori Zavascki reconheceu que usou uma expressão "inadequada" em uma decisão envolvendo o ex-presidente, na semana passada; ao rejeitar um recurso dos advogados de Lula, o ministro classificou o recurso como tentativa para "embaraçar as investigações" da Operação Lava Jato; "Ante o exposto, reconsidero, em parte a decisão agravada, a fim de dela suprimir a parte final", decidiu Teori
Ministro do Supremo Teori Zavascki reconheceu que usou uma expressão "inadequada" em uma decisão envolvendo o ex-presidente, na semana passada; ao rejeitar um recurso dos advogados de Lula, o ministro classificou o recurso como tentativa para "embaraçar as investigações" da Operação Lava Jato; "Ante o exposto, reconsidero, em parte a decisão agravada, a fim de dela suprimir a parte final", decidiu Teori (Foto: Ana Pupulin)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

André Richter - Repórter da Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Teori Zavascki reconheceu hoje (14) que usou uma expressão "inadequada" em uma decisão envolvendo o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, na semana passada. Ao rejeitar um recurso dos advogados de Lula, o ministro classificou o recurso como tentativa para "embaraçar as investigações" da Operação Lava Jato.

"É de se reconhecer ter sido inadequada, nas circunstâncias do caso e no que possa ser interpretada como pejorativa ao agravante, a expressão utilizada na parte final do referido item, qualificando certos fundamentos da reclamação como tentativas da defesa de embaraçar as apurações", disse Teori. "Ante o exposto, reconsidero, em parte a decisão agravada, a fim de dela suprimir a parte final", decidiu o ministro.

Apesar de retirar o termo, Zavascki manteve sua decisão, que rejeitou pedido feito pela defesa de Lula para que investigações estão nas mãos do juiz federal Sérgio Moro, da Justiça Federal do Paraná, fossem suspensas e remetidas ao Supremo.

No pedido, a defesa de Lula questionou a competência de Moro para conduzir três inquéritos contra o ex-presidente no âmbito da Lava Jato, alegando que os mesmos fatos apurados já são investigados pelo STF em outro inquérito que envolve pessoas com foro privilegiado.

O conhecimento liberta. Saiba mais. Siga-nos no Telegram.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como em brasil247.com/apoio

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247

Cortes 247

Apoie o 247

WhatsApp Facebook Twitter Email