Moreira Franco faz a ponte entre Dilma e FHC

Ministro da Secretaria da Aviação Civil, Moreira Franco se reuniu longamente com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso no último fim de semana, segundo informa a jornalista Monica Bergamo; colunista Tereza Cruvinel, do 247, já havia antecipado que governo Dilma lançaria pontes em relação ao PSDB para sondar as reais intenções dos tucanos no segundo mandato; a diversos interlocutores, FHC elogiou a escolha de Joaquim Levy; clima de distensão política deve encerrar o chamado "terceiro turno"

Ministro da Secretaria da Aviação Civil, Moreira Franco se reuniu longamente com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso no último fim de semana, segundo informa a jornalista Monica Bergamo; colunista Tereza Cruvinel, do 247, já havia antecipado que governo Dilma lançaria pontes em relação ao PSDB para sondar as reais intenções dos tucanos no segundo mandato; a diversos interlocutores, FHC elogiou a escolha de Joaquim Levy; clima de distensão política deve encerrar o chamado "terceiro turno"
Ministro da Secretaria da Aviação Civil, Moreira Franco se reuniu longamente com o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso no último fim de semana, segundo informa a jornalista Monica Bergamo; colunista Tereza Cruvinel, do 247, já havia antecipado que governo Dilma lançaria pontes em relação ao PSDB para sondar as reais intenções dos tucanos no segundo mandato; a diversos interlocutores, FHC elogiou a escolha de Joaquim Levy; clima de distensão política deve encerrar o chamado "terceiro turno" (Foto: Leonardo Attuch)

247 - O ministro Moreira Franco, da Secretaria da Aviação Civil, é a ponte entre os governos Dilma e FHC. Neste fim de semana, no Rio de Janeiro, ele organizou um longo almoço para o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, em sua casa, em São Conrado, segundo informa a jornalista Monica Bergamo:

VELHOS AMIGOS

Governo e oposição têm mantido canais de diálogo em meio à crise. Na semana passada, Fernando Henrique Cardoso recebeu o ministro da Aviação Civil, Moreira Franco (PMDB-RJ), para uma longa conversa em seu apartamento de São Conrado, no Rio de Janeiro.

VELHOS AMIGOS 2
Os dois se conhecem bem.

Moreira Franco foi assessor especial e articulador político do governo FHC na década de 1990.

QUESTÃO DE RESPEITO
O ministro, que é um dos políticos mais próximos do vice-presidente Michel Temer, confirma o encontro. Mas diz que conversa "com presidente" só pode ser detalhada pelo próprio FHC.

É O NOME
A diversos interlocutores, FHC tem elogiado a escolha (ainda não oficializada) de Joaquim Levy para comandar a economia do país.

Na semana passada, em artigo publicado no 247, a colunista Tereza Cruvinel antecipou que o governo Dilma lançaria pontes de diálogo à oposição. O objetivo é contribuir para um ambiente de distensão política e encerrar o chamado "terceiro turno" da disputa presidencial.

Leia, abaixo, artigo de Tereza Cruvinel:

O que planeja mesmo o PSDB?

Enquanto Dilma acerta a composição de sua equipe econômica, que pode ser anunciada hoje rendendo-lhe  uma trégua nesta frente de batalha,  outros auxiliares tratam da guerra política que já está no radar dos próximos meses.  um  emissário do Governo, com trânsito junto ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, tem encontro agendado com ele para sondá-lo sobre a conduta que o PSDB adotará em relação à crise política que se avizinha, em função dos desdobramentos da Operação Lava Jato.

Prevalecerá o discurso radical dos mais ligados a Aécio Neves, que têm pregado o impeachment  e uma oposição armada até os dentes, ou a postura pragmática dos governadores, como Geraldo Alckmin, que até já se reuniu com Dilma para acertar uma ajuda federal às providências contra a crise hídrica em São Paulo?

Um dos sinais mais preocupantes, emitidos pelo PSDB, foi a presença do senador Aloysio Nunes Ferreira, que foi vice na chapa de Aécio, na manifestação da semana passada contra Dilma, onde os grupos mais radicais pregaram o impeachment e alguns até a volta dos militares, o que ensejou declarações dos próprios comandantes das Forças Armadas sobre o despropósito de tais aspirações em plena vigência da normalidade democrática.

O emissário dirá a FH que o governo, como já declarou Dilma, não está criando nenhuma restrição às investigações da Lava Jato, muito pelo contrário. Todos as providências, medidas ou instrumentos estão sendo utilizados para que efetivamente “não reste pedra sobre pedra” do esquema criminoso.  Que, composta a equipe econômica, ela adiará a nomeação de outros ministros exatamente para conhecer a extensão do envolvimento de agentes políticos da base do governo.  Entretanto, espera-se que a oposição adote uma postura condizente com suas responsabilidades, colocando os interesses do país acima do ressentimento eleitoral.   Até porque, dirá o emissário por sua conta, o PSDB sabe que o esquema na Petrobrás não começou no governo Lula nem no governo Dilma, como têm atestado tantos empresários, delatores ou não. Por exemplo, Ricardo Semler, que em seu artigo publicado hoje na Folha de São Paulo e reproduzido pelo 247, afirma que não se vende ao Estado no Brasil sem pagar propina desde 1970, razão pela qual sua empresa deixou de fazer negócios com o setor público. E ele se declara tucano.

A sondagem junto ao ex-presidente busca saber a altura do fogo que virá em breve, quando em sua oitava fase a Lava Jato revelar o nome de dezenas de políticos que  receberam recursos do esquema Petrobrás.  A crise será brava, mandatos vão rolar e será sensato estabelecer um circulo de giz em torno dela, dentro do qual será feita a limpeza, preservando-se as instituições e a normalidade do funcionamento dos poderes.  E isso depende de um mínimo de convergência de entre governo e oposição.

Conheça a TV 247

Mais de Poder

Ao vivo na TV 247 Youtube 247