Nas cordas, Temer quer enquadrar Calero na Lei de Segurança Nacional

Diante da avalanche de reações negativas a seu governo, Michel Temer agora quer enquadrar o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero na lei de Segurança Nacional; aliados mais próximos, como o presidente do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, José Carlos Araújo (PR-BA), já defendem abertamente esta posição; "A mínima hipótese de gravar uma conversa com um presidente da República é absurda", diz Araújo, defendendo que Calero seja acusado por caluniar ou difamar o presidente da República

calero temer
calero temer (Foto: Giuliana Miranda)

247 - Diante da avalanche de reações negativas a seu governo, Michel Temer agora quer enquadrar o ex-ministro da Cultura Marcelo Calero na lei de Segurança Nacional. Aliados mais próximos, como o presidente do Conselho de Ética da Câmara dos Deputados, José Carlos Araújo (PR-BA), já defendem abertamente esta posição. "A mínima hipótese de gravar uma conversa com um presidente da República é absurda", diz Araújo, defendendo que Calero seja acusado por caluniar ou difamar o presidente da República.

As informações são da Folha de S.Paulo. 

Enquanto parlamentares da oposição questionam a postura de Temer, que apoiou as pressões de Geddel Vieira Lima para liberar a construção de um espigão de luxo em Salvador, e pedem a investigação dos conteúdos das conversas registradas por Calero, congressistas da base aliada atacam o ex-ministro que divulgou o escândalo. 

"Governistas consideram "absurda" a forma como Calero lidou com a situação.

"Todos nós lidamos com pressão todos os dias. Recebemos um milhão de pedidos de todos os tipos. Se não sabemos como nos portar, de fato não estamos prontos para o cargo", afirmou um ministro de Temer em condição de anonimato."

Conheça a TV 247

Ao vivo na TV 247 Youtube 247