Nota do PT defende abertamente o Fora Bolsonaro

A posição das duas bancadas do PT foi tomada durante uma videoconferência de Lula, Haddad e Gleisi com deputados e senadores da legenda

Lula
Lula (Foto: Felipe L. Gonçalves/Brasil247)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

Da página do Partido dos Trabalhadores – As bancadas do PT na Câmara e no Senado querem uma campanha por mudanças institucionais e políticas para garantir a democracia no país, em defesa da vida e contra a manutenção de Jair Bolsonaro à frente do governo. A contraofensiva é uma reação à escalada autoritária do presidente da República, que nas últimas 48 horas ofendeu a Constituição, cometeu crime de responsabilidade e deu mostras de desprezo à vida dos brasileiros, ao defender o fim do isolamento social como forma de conter a pandemia do coronavírus. Deputados e senadores petistas querem a adoção do slogan “Fora, Bolsonaro” como palavra de ordem.

Em reunião com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o ex-ministro da Educação Fernando Haddad, a presidenta nacional do PT, deputada Gleisi Hoffmann (PR) e os líderes da legenda no Congresso Nacional sinalizaram que o mote “Fora, Bolsonaro” deve ser usado para mobilizar a sociedade em defesa de mudanças no país. “Bolsonaro e seu governo não estão à altura para comandar o país, não têm propostas para proteger o povo da epidemia, nem para fazer com que a economia sobreviva após a crise”, alertou Gleisi.

Agravamento da crise

A posição das duas bancadas do PT foi tomada durante uma videoconferência de Lula, Haddad e Gleisi com deputados e senadores da legenda. A situação política é considerada insustentável, diante do agravamento da crise sanitária, que está deixando o país num clima permanente de instabilidade e sobressaltos institucionais. Os ataques do bolsonarismo aos Poderes Legislativo e Judiciário, bem como a agressão permanente às cúpulas do Supremo e do Congresso são consideradas insuportáveis pelos parlamentares da legenda.

“Bolsonaro atravessou o limite aceitável para um presidente”, destacou o líder do PT no Senado, Rogério Carvalho (SE), elencando os mais recentes ataques presidenciais às instituições do país. No domingo, Bolsonaro participou de ato em defesa do AI5 e a volta dos militares em frente ao Quartel General do Exército, em Brasília.

Para o líder petista, o Brasil precisa de uma liderança para dar conta da vida, da economia, dos empregos e da renda. Rogério diz que o presidente da República não reúne as condições para manter-se no comando da Nação e sua manutenção traz mais instabilidade política e é um risco à saúde pública. “Bolsonaro não tem condições”, adverte o senador, lembrando que, além disso, o presidente vem afrontando a democracia.

Interesses privados

“O grande capital começa a se reorganizar para manter seus lucros”, alertou o líder do PT na Câmara, deputado Enio Verri (PR), destacando a subordinação do presidente da República aos interesses privados e do sistema financeiro. “Bolsonaro é muito pequeno para dirigir o Brasil”, disse Verri. “É preciso dar um basta. Se persistir, tudo vai piorar”.

O líder da Minoria na Câmara, deputado José Guimarães (PT-CE), reforçou a avaliação da legenda. “Em tempos de crise, precisamos de um Estado forte”, destacou. Para Guimarães, é urgente “unir todas as correntes, formar uma ampla frente, dialogar e mobilizar as forças sociais”. Guimarães destacou a necessidade de apoiar os estados e municípios para enfrentar a crise. “A democracia não suporta mais três anos de governo Bolsonaro”, avalia.

Assim como os demais parlamentares, o deputado Carlos Zarattini (PT-SP), líder da Oposição no Congresso Nacional, reafirmou o papel do partido no enfrentamento à crise. Ele lembrou que a atuação do PT foi decisiva para garantir a aprovação do Seguro-Quarentena e para aumentar o valor do benefício para R$ 600. “O governo queria apenas R$ 200”, lembrou. Zarattini pondera que a maior dificuldade para enfrentar a crise, hoje, é o presidente e seu governo. “Bolsonaro não tem mais condições de governar”, conclui.

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo APOIA.se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247