Nova meta de rombo amplia espaço para Temer comprar deputados

Com o aumento do rombo das contas públicas em R$ 20 bilhões, para R$ 159 bilhões, conforme anunciado pela equipe econômica de Temer, as emendas parlamentares poderão ter um reforço de mais de R$ 1 bilhão até dezembro, o que dá mais abertura para o peemedebista comprar apoio dos parlamentares, como fez no mês passado para se livrar da denúncia de corrupção

Com o aumento do rombo das contas públicas em R$ 20 bilhões, para R$ 159 bilhões, conforme anunciado pela equipe econômica de Temer, as emendas parlamentares poderão ter um reforço de mais de R$ 1 bilhão até dezembro, o que dá mais abertura para o peemedebista comprar apoio dos parlamentares, como fez no mês passado para se livrar da denúncia de corrupção
Com o aumento do rombo das contas públicas em R$ 20 bilhões, para R$ 159 bilhões, conforme anunciado pela equipe econômica de Temer, as emendas parlamentares poderão ter um reforço de mais de R$ 1 bilhão até dezembro, o que dá mais abertura para o peemedebista comprar apoio dos parlamentares, como fez no mês passado para se livrar da denúncia de corrupção (Foto: Gisele Federicce)
Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

247 - Com a mudança da meta fiscal para um déficit de R$ 159 bilhões, um rombo de R$ 20 bilhões a mais do que o previsto anteriormente, o governo Temer terá mais abertura para comprar o apoio de parlamentares por meio de emendas parlamentares.

De acordo com cálculos da Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira da Câmara dos Deputados, com o novo déficit, recursos para as emendas voltarão a um patamar de R$ 10,121 bilhões, um reforço de mais de R$ 1 bilhão até dezembro.

Com isso, Temer pode repetir a estratégia do mês passado, quando comprou, literalmente, o apoio de deputados para se livrar da denúncia de corrupção apresentada pela Procuradoria Geral da República contra ele.

Leia mais na reportagem de Eduardo Rodrigues.

Participe da campanha de assinaturas solidárias do Brasil 247. Saiba mais.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247