O ministério é meu e ninguém tasca

Em viagem a Paris, Carlos Lupi diz que o Ministrio do Trabalho no tem "apenas 10" militantes de seu partido, o PDT, como publicou o Estado de S.Paulo no domingo, mas muito mais; "O Ministrio tem 600 cargos de confiana", disse, sem saber precisar o nmero de pedetistas na Pasta

Siga o Brasil 247 no Google News Assine a Newsletter 247

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, afirmou hoje em Paris que seu ministério não tem "apenas 10", mas muito mais militantes de seu partido, o PDT, nomeados como funcionários em cargos de confiança. A denúncia sobre o aparelhamento do ministério foi feita pelo jornal O Estado de S. Paulo no domingo. A reportagem mostrou que o ministro se cercou de membros da cúpula do PDT para compor a direção de sua pasta e que usa brechas da lei para turbinar centrais sindicais com convênios.

Participando em Paris da reunião de ministros do Trabalho do G-20, Lupi voltou a se defender das suspeitas de aparelhamento. Dizendo-se "ministro da confiança" da presidente Dilma Rousseff, Lupi disse que não tem apenas 10 militantes do PDT na cúpula do ministério. "O Ministério do Trabalho tem 600 cargos de confiança. Eu tenho muito mais do que 10. Não tenho só 10, não. Está errado. Podem aumentar", afirmou. Questionado sobre quantos são, disse não saber responder. "Não sei, mas é mais do que 10."

Segundo Lupi, sua gestão sofre uma tentativa de "criminalização da política". Ninguém pode ser criminalizado por ser filiado a um partido político", argumentou. "A ditadura é que era contra os partidos." Indagado sobre se as nomeações não configuravam o aparelhamento do ministério, ele respondeu dizendo-se igual a outros ministérios e governos. "Como é com os ministérios do PMDB? Como é com as secretarias do governo do PSDB em São Paulo? Claro que é igual. É igual na Europa, em qualquer parte do mundo."

O ministro disse ainda não conhecer o conteúdo da reportagem do Estadão sobre os repasses de R$ 11 milhões às centrais sindicais - mesmo as impedidas pelo Tribunal de Contas da União (TCU) de receber os recursos - e considerou a discussão sobre os repasses aos sindicatos como "pequena". "Antes os convênios eram feitos pelo Estado de São Paulo. Como acabou o convênio, agora fazemos direto", justificou. "É uma discussão tão pequena, mas tão pequena... O que eu quero saber é dos resultados do ministério."

A você que chegou até aqui, agradecemos muito por valorizar nosso conteúdo. Ao contrário da mídia corporativa, o Brasil 247 e a TV 247 se financiam por meio da sua própria comunidade de leitores e telespectadores. Você pode apoiar a TV 247 e o site Brasil 247 de diversas formas. Veja como:

• Cartão de crédito na plataforma Vindi: acesse este link

• Boleto ou transferência bancária: enviar email para [email protected]

• Seja membro no Youtube: acesse este link

• Transferência pelo Paypal: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Patreon: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Catarse: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Apoia-se: acesse este link

• Financiamento coletivo pelo Vakinha: acesse este link

Inscreva-se também na TV 247, siga-nos no Twitter, no Facebook e no Instagram. Conheça também nossa livraria, receba a nossa newsletter e ative o sininho vermelho para as notificações.

Comentários

Os comentários aqui postados expressam a opinião dos seus autores, responsáveis por seu teor, e não do 247